POLÍTICA MT

“Escuta empática” é melhor postura para ajudar pessoas com depressão

Publicados

em


.

Foto: Rose Domingues Reis / Gabinete do deputado Dr. Gimenez

Ouvir sem pressa, sem julgar ou menosprezar o sofrimento do outro é a melhor forma de se comportar diante do quadro depressivo de alguém. Para a médica psiquiatra e presidente da Associação Mato-grossense de Psiquiatria, Maria Fernanda Carvalho, a “escuta empática” é atualmente um dos métodos mais eficientes para evitar o agravamento de doenças psíquicas como a depressão.

Ela fez o alerta durante a live realizada pelo deputado estadual e médico Dr. Gimenez (PV), durante a campanha Setembro Amarelo. “Normalmente, a pessoa chega com medo de se expor, em sofrimento, e o que normalmente fazemos? Interrompemos o tempo todo para falar de nós mesmos, comparamos nossos problemas e não damos importância para o que ela está sentindo”, disse Maria Fernanda.

Apenas a partir de um diálogo em que o indivíduo se sinta seguro e acolhido, é possível surgir a possibilidade de auxílio, o que segundo a médica, significa buscar ajuda especializada, que pode ser incialmente de um médico da família (para fazer uma primeira avaliação), um especialista em saúde mental e/ou um psicólogo.

“O tratamento para a depressão é multidisciplinar, também envolve uma dieta equilibrada e com “comida de verdade”, boa qualidade de sono, um trabalho que seja fonte de realização, bons relacionamentos, a prática de exercícios físicos, o uso de medicação e outro ponto importante é a religião ou espiritualidade”.

Leia Também:  Pantaneiros, quilombolas e indígenas relatam destruição causada pelo fogo no Pantanal

Dr. Gimenez promoveu o evento on-line no dia 10 de setembro, Dia mundial de prevenção ao suicídio, com o objetivo de levar informações à população. “Mais de 90% das pessoas que tentam suicídio têm algum transtorno mental, que é hereditário, e deve ser identificado e tratado. Além disso, se houver outros casos na família é comum outros entes se sentirem encorajados a fazer o mesmo”.

As ideias de suicídio são a ponta do iceberg para alguém que não está conseguindo lidar com os problemas; em um determinado momento o “copo transborda” diante de um fator estressante (perda do emprego, nascimento do filho ou rompimento do relacionamento). Para médica, a saúde pública deixa muito a desejar, pois não oferece estrutura necessária para diagnosticar e tratar as pessoas que precisam de ajuda.

“Infelizmente, a saúde mental é deixada de lado em detrimento de outras doenças, embora tenhamos bons profissionais, faltam psiquiatras da rede pública devido a baixos salários, estrutura deficitária e falta de medicamentos. Outro agravante é que o SUS não pode nos obrigar a atender uma pessoa a cada 10 ou 15 minutos enquanto no nosso consultório particular a média de atendimento é de 1 hora, porque temos que ouvir esse paciente, deixá-lo falar da sua dor”, afirma Maria Fernanda.

Leia Também:  Comunidades do Sucuri, Tarumã e Três Pedras recebem doações de cestas básicas

Orientação aos pais – A saúde mental da criança depende muito de um ambiente familiar estável, onde as demandas físicas e emocionais da criança sejam atendidas. Ela também orienta que ao invés de oferecer muitos brinquedos (especialmente eletrônicos), os pais façam brincadeiras como de antigamente: no chão, na terra, conte histórias, etc. “Sempre oriento duas coisas fundamentais: muito amor e limites, toda criança precisa de um adulto que eduque com muita firmeza sobre o que é certo e errado, onde não é não, mas de forma amorosa”.

Outra orientação com jovens é trocar a cultura do “ter” pelo “ser”, pois a maioria deles se sente perdido, angustiado e “vazio”. A permissividade também é, segundo a médica, um caminho perigoso que pode levar ao uso de álcool e drogas. “Mas o cérebro deles não está 100% formado e o acesso a estas substâncias pode ser crucial para desenvolver uma doença mais grave”. É importante que o jovem cultive hábitos de leitura, jogos de tabuleiro, artes e esportes. 

Fonte: ALMT

Propaganda

POLÍTICA MT

Governador reforça pedido ao Governo Federal de aeronaves e tropas para combater incêndios

Publicados

em


.

O governador Mauro Mendes reforçou, nesta segunda-feira (21.09), o pedido de aeronaves e tropas militares da Força Nacional de Segurança Pública para auxiliar no combate aos incêndios florestais em Mato Grosso. 

O pedido foi direcionado ao ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça.

 A solicitação já havia sido feita pelo governador ao ministro na semana passada, por telefone, e foi prontamente acatada. O documento visa formalizar o pedido, que também havia sido feito pelo secretário de Estado de Segurança Pública, Alexandre Bustamante, em agosto. 

No ofício, o governador explicou que o Pantanal é um local de grande importância ecológica por abrigar muitas espécies de peixes e aves aquáticas.

“Maior planície alagável do mundo com 230.000 km², que recebeu da Unesco os títulos de Reserva da Biosfera e Patrimônio Natural da Humanidade, o Pantanal impressiona pela diversidade de fauna e flora”, afirmou. 

Mauro Mendes ressaltou que Mato Grosso tem enfrentado uma das piores ondas de incêndios dos últimos anos, atingindo cerca de 20% do pantanal mato-grossense, fato que levou o Governo do Estado a decretar a situação de emergência.

Leia Também:  Secel reabre inscrições para produção do 26º Salão Jovem Arte

“Objetivando evitar um prejuízo ainda maior do que o já causado em nosso Estado, e ao Brasil, solicito o apoio da Força Nacional de Segurança Pública, com a disponibilização de aeronaves especializadas e profissionais qualificados para, em apoio aos que já atuam na região, auxiliem no controle dos focos de incêndio e extinção das queimadas, sob Coordenação do Comitê Multiagências de Coordenação Operacional (CIMAN/MT)”, ressaltou.

Combate aos incêndios

O Governo do Estado tem atuado forte no combate aos incêndios florestais desde março, quando foi lançado o Plano de Ação contra o Desmatamento Ilegal e Incêndios Florestais em Mato Grosso.

Já foram mais de R$ 22 milhões investidos de recursos próprios, contando com 40 equipes espalhadas por todo o estado para o combate ao fogo, seis aeronaves, três helicópteros e mais de 2500 profissionais envolvidos, desde bombeiros militares, voluntários, integrantes da Defesa Civil e do Exército.

Porém, em virtude das condições climáticas desfavoráveis, como a baixa umidade e falta de chuvas há cerca de 120 dias, o Governo de Mato Grosso tem buscado novas parcerias para minimizar os impactos do fogo para o meio ambiente e qualidade de vida do cidadão.

Leia Também:  Centro de Triagem já atendeu mais de 35 mil pessoas que buscaram tratamento contra a Covid-19

A pedido do governador, o Governo Federal garantiu o repasse de mais R$ 10 milhões e o envio de agentes das forças de segurança nacional para reforçar o combate aos incêndios.

O Governo de Mato Grosso, neste ano, já aplicou mais de R$ 190 milhões em multas por uso irregular do fogo. 

Leia a íntegra do documento:

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA