POLÍTICA MT

Museu de História Natural Casa Dom Aquino reabre as portas para visitação

Publicados

em


O Museu de História Natural Casa Dom Aquino reabre as portas na próxima sexta-feira (16.10), a partir das 8h. Para retomar as atividades de visitação, o equipamento da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) seguirá todas as medidas de segurança recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Governo do Estado de Mato Grosso.

A reabertura contará com a inauguração da exposição das Máscaras Sagradas Waurá, preciosidades doadas, em 2019, pela etnia indígena do Parque Indígena do Xingu. 

Além da nova exposição, os visitantes também poderão viajar no tempo geológico e pré-histórico na exposição permanente que reúne fósseis de dinossauros, preguiças e tatus gigantes, fósseis marinhos do período em que toda a região de Cuiabá e Chapada dos Guimarães era mar. 

A história do planeta Terra e suas mudanças através do tempo podem ser conferidas em um ambiente aberto em meio à natureza. Por ser um espaço amplo, com mais de 10 mil m² de área verde, o visitante poderá circular entre a exposição, café, loja de artesanatos, parquinho infantil e apreciar a área verde na beira do Rio Cuiabá, em uma das principais avenidas da cidade. 

Leia Também:  Mais de 12 mil pessoas participaram da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

O Museu de História Natural está localizado na Avenida Beira Rio, nº 2000, bairro Dom Aquino, Cuiabá (MT), com horário de funcionamento de quarta-feira a domingo, das 8h às 18h, e valor para visitação de R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia entrada).

O visitante deve seguir as regras internas do Museu, como o uso de máscara obrigatório, respeito às demarcações de distanciamento e quantidade máxima de visitantes por sala da exposição. O Museu disponibilizará álcool em gel em suas dependências e equipe para tirar dúvidas sobre o uso do espaço.

Outras informações: (65) 3634-4858.

Fonte: GOV MT

Propaganda

POLÍTICA MT

Deputado propõe ‘teste do bracinho’ para diagnosticar hipertensão em crianças a partir de três anos

Publicados

em


Projeto de lei é de autoria do deputado Romoaldo Junior

Foto: Ronaldo Mazza

Aprovado na Assembleia Legislativa, o Projeto de Lei nº 700/2019, que visa realizar o “teste do bracinho” para diagnosticar hipertensão arterial em crianças a partir de três anos de idade que receber atendimento na rede pública de saúde de Mato Grosso. Considerado simples, o exame é feito com o esfigmomanômetro, mesmo aparelho que afere a pressão arterial de adultos. O teste é indolor e não gera despesas para o poder público, uma vez que todas as unidades de saúde já fazem uso do equipamento para avaliar a pressão arterial dos pacientes em geral.

Avaliada como um problema de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde (OMS), uma vez que o número de casos não para de crescer, a pressão alta é chamada de “mal silencioso”, pois age sem fazer alarde, afetando pessoas de todas as idades e condições sociais, não poupando sequer crianças e adolescentes.

O autor da propositura, deputado Romoaldo Júnior (MDB), recomenda que, além da realização do exame, o poder público se responsabilize por organizar campanhas educativas para divulgar o tema, enfatizando a importância do diagnóstico precoce da doença.

Leia Também:  Alto Araguaia e Poxoréu comemoram 82 anos com ações do Governo do Estado; infraestrutura e saúde

“O objetivo é identificar precocemente se a criança possui nível elevado de pressão arterial e iniciar o tratamento o mais rápido possível”, explicou o parlamentar, que é hipertenso e conhece de perto o problema.

Hipertensão arterial – Pesquisas indicam que a elevação de pressão na infância representa riscos para que a enfermidade se manifeste, mais tarde, na vida adulta. Por outro lado, filhos de pais hipertensos devem redobrar os cuidados com a prevenção desde cedo, porque a pressão alta é hereditária, crônico-degenerativa, que ataca os vasos sanguíneos e pode provocar graves lesões no coração, cérebro, rins, membros e outras grandes artérias. A hipertensão arterial pode estar presente em crianças com doenças renal, cardíaca e obesidade, tendo este último fator incidência crescente associada ao sedentarismo, alimentação industrializada com excesso de sal e gordura e uso abusivo de videogames e televisão. 

Fonte: ALMT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA