POLÍTICA MT

Pedagoga muda história de vida com dedicação aos livros e força de vontade

Publicados

em


De cozinheira em garimpo à graduação em Pedagogia, a história da coordenadora de Saúde e Segurança da Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), Zilda Alves da Silva, de 51 anos, impressiona e inspira. Nascida na zona rural de Juína, ela poderia ter passado a maior parte da vida longe da vida urbana, mas o desejo de estudar falou mais alto.

O casamento aos 16 anos aliou-se à expectativa de completar os estudos, que tinham ido até a 4º ano do Ensino Fundamental. Porém, os planos de voltar para a sala de aula deram lugar a um emprego como cozinheira num garimpo local, dos 18 aos 20 anos. Os trabalhos seguintes como açougueira e feirante também estavam aquém do que ela desejava.

Foi somente aos 25 anos, separada e com três filhos pequenos, que ela conseguiu juntar forças para se dedicar aos estudos. A solução encontrada para otimizar o tempo perdido longe dos livros e cadernos foi se matricular em um supletivo. “Eu pensei: agora vou estudar mesmo com filhos pequenos. Mulher sozinha é mais forte que um homem”, diz.

Leia Também:  110 mil doses de vacina disponíveis para aplicação podem estar paradas em MT

A dedicação aos estudos foi, aos poucos, traçando outro rumo à vida de Zilda, que passou rapidamente de aluna à educadora. Quando ainda estava cursando o Ensino Médio, começou a dar aula de forma interina para substituir uma tia que precisou pedir licença por problemas de saúde. O trabalho como docente logo deu lugar a outra função.

“Comecei a gostar de trabalhar como professora e, logo em seguida, comecei a trabalhar na secretaria da escola. E trabalhando na secretaria, eu me apaixonei pelo serviço e fiz o concurso para técnico da Seduc-MT e passei”, conta.

Zilda trabalha desde 2001 como servidora efetiva, primeiramente como secretária escolar e depois no setor de Saúde e Segurança da Seduc-MT. Enquanto exercia as funções na carreira pública, seguiu estudando e formou-se em Pedagogia quando tinha 35 anos, em 2005.

Com os filhos já criados (eles têm 33, 30 e 28 anos) e três netos (de 12, 6 e 3 anos de idade), Zilda tem certeza que sua dedicação aos livros e a força de vontade fizeram ela reescrever a própria história.

Leia Também:  Projetos de Maysa Leão trazem melhorias para a vida da mulher vítima de violência

“Com a educação eu mudei a minha vida. A mulher tem que ser independente e estudar, estudar e estudar. É só por meio do estudo que se consegue alguma coisa. Sou uma servidora púbica com muito orgulho e uma mulher realizada profissionalmente. Não foi fácil, com três filhos pequenos, mas amo o que faço. Foram muitas conquistas e muitos desafios, mas sou uma mulher realizada”, conta.

Fonte: GOV MT

Propaganda

POLÍTICA MT

Dom Aquino comemora 63 anos com ações do Governo em infraestrutura e agricultura familiar

Publicados

em


Dom Aquino, no Vale do Rio São Lourenço, 8.171 habitantes, distante 172 quilômetros de Cuiabá no sentido sudeste, comemora 63 anos como município nesta quarta-feira, 14 de abril, com ações do Governo do Estado em infraestrutura e agricultura familiar.   

Por meio da Sinfra/MT (Secretaria de Infraestrutura e Logística), foram restaurados 67,5 quilômetros da rodovia MT-344, entre o entroncamento da BR 070 com a MT-140, em Campo Verde, e o entroncamento da BR 163/364, em Jaciara, passando por Dm Aquino.  Foram investidos R$ 45,276 milhões nesta obra.

Uma parceria com o Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Econômico Social e Ambiental da Região Sul (Cidesasul) é responsável pela manutenção de duas rodovias que cortam o município – MT-454 e MT-260. É parte de um total de 231,32 quilômetros de rodovias não pavimentadas em sete municípios da região, cujos investimentos somam R$ 14,6 milhões do Governo do Estado e R$ 147 mil de contrapartida do consórcio.

Agricultura familiar

Por meio da SEAF (Secretaria de Estado de Agricultura Familiar), Dom Aquino recebeu dois resfriadores de leite com capacidade de até mil litros, de um total de 200 unidades distribuídas a 62 municípios mato-grossenses. Investimentos de R$ 2,1 milhões, dos quais R$ 1,6 milhão do Estado e R$ 499 mil de emenda parlamentar estadual.

Município recebeu dois resfriadores de leite com capacidade de até mil litros – Secom/MT

Leia Também:  Agentes culturais ligados à música podem se cadastrar para receber cestas básicas

Saúde e repasses – A SES (Secretaria de Estado de Saúde) repassou ao município 700 testes rápidos para detecção do coronavírus e medicamentos para combatê-lo, num total de 30.111 comprimidos, entre azitromicina (3.860), ivermectina (2.944) e dipirona (23.307), também distribuído em gotas, com 572 frascos.                  

Entre 2020 e 2021, o Governo do Estado repassou R$ 14,4 milhões aos cofres municipais em ICMS, IPVA e Fethab, além de R$ 1,938 milhão em assistência social, transporte escolar, convênios na área de saúde e emendas parlamentares, entre 2019 e 2020.

Economia

Segundo o IBGE, o setor agropecuário, com R$ 208,3 milhões, respondeu por 56,5% do PIB (Produto Interno Bruto) Municipal de 2018, avaliado em R$ 368,558 milhões. Serviços (R$ 70,545 milhões), administração pública (R$ 49,68 milhões), impostos (R$ 23,03 milhões) e indústria (R$ 16,99 milhões) fecham a soma. O PIB per capita, de R$ 44.951,64, é o 37º de Mato Grosso.

Um plantel de 3.677 vacas ordenhadas, de um rebanho bovino com 105,9 mil cabeças, produziu, em 2019, 4,345 milhões de litros de leite, abastecendo o laticínio local. A pecuária dom-aquinense conta ainda com um rebanho galináceo com 71,2 mil cabeças, da quais 4,3 mil galinhas e 23 mil dúzias de ovos; 5.894 suínos, 2.230 equinos e 1.459 ovinos, além de uma produção de 135,8 mil toneladas de peixes em cativeiro.

Leia Também:  110 mil doses de vacina disponíveis para aplicação podem estar paradas em MT

Vizinha de grandes produtores agrícolas como Campo Verde e Primavera do Leste, Dom Aquino tem no algodão (92,4 mil toneladas), no milho (99,7 mil toneladas) e na soja (112,3 mil toneladas), o carro-chefe de sua agricultura. Produz ainda abacaxi, banana, borracha e mandioca.

É o terceiro maior município mato-grossense plantador de eucalipto, com uma área de 14,5 mil hectares em 2019 e produção de 37 mil m3 de lenha, por silvicultura.

O município abriga também uma envasadora de água mineral.

História

Há um século, garimpeiros se fixaram na região, iniciando a povoação do atual município, cujo primeiro nome foi Mutum, por causa da abundância do  pássaro.

Foi emancipado em 1958, de Poxoréo, ainda com este nome, alterado, em 1965, para Dom Aquino, em homenagem a Dom Francisco de Aquino Corrêa, arcebispo de Cuiabá e governante mato-grossense. Em 1985 foi criado o distrito de Campo Verde sob sua responsabilidade, mas emancipado três anos depois, em 1988. Atualmente conta com o distrito de Entre Rios.

Segundo o site da prefeitura, conta com fontes de águas cristalinas e tem potencial para o turismo de aventura – especialmente em tempos normais -, por causa de seus cânions, cavernas e cachoeiras, que oferecem opções para a prática de rapel, escalada e trilhas.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA