POLÍTICA MT

Plano Estratégico da MTI coloca Mato Grosso na vanguarda dos governos digitais no país

Publicados

em


.

O Plano Estratégico quinquenal, desenvolvido pela Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI), coloca Mato Grosso na vanguarda dos governos digitais no país. O plano prevê uma série de ações e metas para a consolidação de um Governo Digital, com aumento na oferta das soluções tecnológicas, serviços digitais e melhorias na vida do cidadão mato-grossense.

O desenvolvimento e a evolução do aplicativo MT Cidadão é um dos exemplos mais práticos da aplicação do plano. Desenvolvido e mantido pela MTI, o MT Cidadão se tornou uma plataforma de transformação digital que possibilita a troca de informações entre vários órgãos e entidades governamentais, por meio de uma rede segura de interoperabilidade de dados. O aplicativo ainda disponibiliza em um só lugar vários serviços digitais essenciais e relevantes para o cidadão.

A iniciativa, inclusive, já foi apresentada e muito elogiada em webconferência da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação (ABEPTIC). 

Conforme a Unidade de Gestão Estratégica de Governança da MTI (UGGOV), o fortalecimento do conceito de Estado Digital, que engloba o Governo Digital e Cidadania Digital, é apenas um dos pontos contemplado no plano.

Leia Também:  Diamantino faz aniversário e Governo comemora junto com obras, repasses em dia e ajuda no combate à pandemia

Este plano consignado como Estratégia de Longo Prazo da MTI, contempla, dentre outros elementos, as oportunidades, riscos, alinhamento às diretrizes de governo, mapa estratégico e os principais indicadores da estratégia.

Com uma duração de cinco anos (2020 a 2024), o plano é revisado e atualizado anualmente pela empresa. Essa revisão ainda passa pelo crivo do Conselho de Administração da empresa. Garantindo, assim, um alinhamento de iniciativas e expectativas.

O planejamento faz parte das boas práticas de gestão, além de atender às exigências legais da Lei Federal 13303/2016 e do Decreto Estadual 793/2016, de 28/12/2016.

“O nosso plano estratégico não é só para subsidiar a um elemento de obrigação legal. Ele é fruto do ato de repensar prioridades associadas efetivamente ao plano de governo atual, levando a MTI a ser um provedor de soluções tecnológicas para atender aos três principais eixos estratégicos do Governo:  aumentar a qualidade de vida para os mato-grossenses, apoiar através da tecnologia o desenvolvimento e sustentabilidade do Estado e modernizar e tornar mais eficiente a Gestão Pública “, afirma o diretor vice-presidente da MTI, Cleberson Gomes.

Leia Também:  A Comissão de Amparo à Criança, Adolescente e pessoas com Deficiências realiza reunião ordinária nesta sexta

Segundo o diretor vice-presidente, a implantação das ações busca a eficiência pública, com entregas de soluções e serviços digitais que possibilitam a modernização da gestão pública e, principalmente, a melhoria dos serviços públicos ao cidadão.

“O Plano Estratégico traduz as estratégias nas iniciativas que a MTI possui, com sua capacidade intelectual e a potencialidade da tecnologia, valorizando as pessoas, para construção de um Estado mais eficiente, com menor custo e mais próximo do cidadão”.

O Plano também destaca esforços para a busca da sustentabilidade empresarial, como os desafios na redução de gastos e ampliação da receita. Sempre priorizando os recursos necessários (humanos, tecnológicos, financeiros e outros).

Fonte: GOV MT

Propaganda

POLÍTICA MT

Violência no trânsito custou R$ 28,5 milhões para a Saúde de Mato Grosso em 5 anos

Publicados

em


.

Dados estatísticos do Sistema Único de Saúde (SUS) apontam que, no período de 2014 a 2018, ocorreram mais de 26 mil internações ao custo de R$ 28,5 milhões em Mato Grosso. No país, foram R$ 14 bilhões em custos para o SUS somente no ano de 2019.

Esses dados são considerados alarmantes pelas autoridades de trânsito e por profissionais da área da saúde pública estadual e estão em debate no I Encontro Mato-grossense de Mobilidade Segura e Vida no Trânsito, realizado pelo Governo do Estado, por meio de diversas secretarias e órgãos do Executivo.

O evento é realizado no momento em que se completa 10 anos de existência do Programa Vida no Trânsito – instituído pelo Ministério da Saúde. Desde 2019 que o assunto passou a ser tratado de forma integrada por diversas áreas do Governo Estadual, que instituiu o Comitê Intersetorial do Programa de Vida no Trânsito, com coordenação central no âmbito da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT).

A primeira parte da programação do evento teve início na última sexta-feira (18.09), com transmissão de palestras de doutores e especialistas em mobilidade, arquitetura urbana e em saúde coletiva, que trataram de temas voltados para a promoção da paz, da saúde e da segurança no trânsito. O encontro também contou com a presença de autoridades estaduais da área do trânsito.

De acordo com os membros do Comitê que representam a pasta da saúde estadual, Rosiene Rosa Pires, coordenadora de Promoção e Humanização da Saúde, e Aparecido Samuel de Castro, coordenador do Comitê, o trânsito passou a integrar as ações de promoção da saúde no âmbito da SES desde 2019, em razão do alto índice de internações causadas por acidentes e violência no trânsito.

Leia Também:  PM reforça patrulhamento rural com o fim do vazio sanitário da soja em Mato Grosso

O processo de implantação deste serviço contou com o apoio técnico do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). A finalidade é interferir na realidade do trânsito para a promoção de melhorias na segurança e para a promoção da paz e da saúde nessa área.

Mobilidade um direito social

De acordo com a representante do Conass, Mércia Gomes Oliveira de Carvalho, doutora em ciência na área da saúde pela Universidade de Brasília (UnB), a violência no trânsito é a segunda causa de morte no país, sendo os jovens na faixa etária de 20 a 39 anos de idade as principais vítimas, de acordo com dados do Ministério da Saúde no ano de 2017.

A arquiteta e consultora em urbanismo da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Silmara Vieira, enfatiza que a mobilidade é um direito social e que dá acesso a outros direitos da cidade, considerando que 80% da população brasileira residem em área urbana. Para a arquiteta, a violência de trânsito pode ser evitada, com medidas de intervenção na engenharia da mobilidade, voltadas para a segurança e para a saúde das pessoas. “As cidades ainda são planejadas para os veículos e não para as pessoas”, destacou.

Leia Também:  Diamantino faz aniversário e Governo comemora junto com obras, repasses em dia e ajuda no combate à pandemia

Para o presidente do Conselho Estadual de Trânsito (CETRAN-MT) e diretor executivo do DETRAN, José Eudes, o trânsito está interferindo na saúde do cidadão. A mudança de comportamento deve existir para que se promova a cultura de paz no trânsito.

Acidentes e pandemia

O representante do Batalhão da PM de Trânsito, o 1º Tenente da PM Carlos Manoel Sanches destaca o alto índice de acidentes com motos, que ocupa o primeiro lugar no ranking de acidentes e violência no trânsito, no ano de 2019. “É alarmante essa quantidade de acidentes e gera um impacto grande em diversas áreas e especialmente na esfera da saúde pública”, enfatizou.

Segundo dados da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, no período de janeiro a agosto dos anos de 2019 e 2020, houve uma diminuição a partir de março em razão da pandemia e do isolamento social. Porém, com a flexibilização da mobilidade social, já houve aumento das ocorrências.

Serviço

O evento conta com transmissão em tempo real, via canal do YouTube da Escola de Saúde Pública (ESP-MT) e a programação prossegue até o dia 21 de setembro.

A programação do I Encontro Mato-grossense de Mobilidade Segura e Vida no Trânsito pode ser acessada pelo link: http://www.saude.mt.gov.br/upload/noticia/1/arquivo/170920110630-SES-MT-A-programacao.pdf

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA