POLÍTICA MT

Professora relata desafio de trabalhar com tecnologia e motivar alunos

Publicados

em


Trabalhar sob novos desafios é o que motiva a professora Jaqueline de Lima Camargo, da Escola Estadual Porfíria Paula de Campos, em Várzea Grande, que leciona para uma turma de 3º ano do ensino fundamental. Com o uso da tecnologia, Jaqueline consegue dar aulas de forma remota para seus alunos, como se estivesse de forma presencial. Mas a professora admite que a tarefa não é fácil, pois os alunos querem o convívio em sala.

Jaqueline ressalta que, mediar as atividades de aprendizagem em tempos de pandemia se transforma numa tarefa mais complexa, pois envolve muitas situações. Entre elas, a fragilidade emocional por conta de tantas mudanças. A professora convive com alunos relatando a perda de professores e de pessoas próximas.

“Diante de tantas questões, tenho tentado deixar esse de aula remota um pouco mais leve para a família para que possam continuar auxiliando as crianças. E sempre tentando passar para eles que o distanciamento social que a gente vive, sendo obrigado a realizar, não precisa ser também um apoio afetivo e isso tem acontecido de uma forma muito legal no grupo. No início de cada aula, temos um mimo: somos a turminha. Boa tarde turminha, boa tarde, família da turminha”, salienta.

Leia Também:  Governo lança maior programa de investimentos da história de Mato Grosso

Como não tem como saber a realidade que está acontecendo dentro de cada um desses lares, Jaqueline tenta propor atividades que favoreçam aproximação entre o aluno e a família. Por não ter o contato físico, visual, o apoio presencial, tem feito muita falta, pois fica dificultoso. Mesmo assim, Jaqueline realiza descobertas positivas. “A gente está se reinventando todos os dias”, resume.

Jaqueline percebe que o apoio acontece dos dois lados – tanto das crianças dos familiares como da equipe gestora. Para isso está sempre em contato com a família, uma tática que está dando resultados satisfatórios. Nos diálogos, a professora pergunta sobre a opção de mudar a metodologia. Com isso, garante não só a confiança dos pais como o aprendizado dos alunos. Os elogios, surgem nos grupos de WhatsApp.

“Professora, suas aulas sem dúvida algumas são muito produtivas. A criatividade tem ajudado muito o meu filho, pois ele está desenvolvendo bem melhor agora do que antes”, relata, Edna, mãe do aluno Erick.

Outra mãe que não cansa de elogiar a professora é Ana Paula, mãe de Lívia Fernanda. “Nesse tempo de pandemia, as coisas mudaram muito. Ainda não te conhecemos, mas te amamos muito. A senhora já ocupou um lugar especial em nossas vidas. A responsabilidade é grande, mas não chega aos pés da gratificante certeza de colaborar para a formação de nossa família”, elogia.

Leia Também:  Policiais penais realizam nova apreensão de drogas e baterias de celulares na PCE

O pai do aluno Hugo Calebe, Valdomiro Calebe também não economizou elogios para a professora. “Estamos feliz aqui em casa porque meu filho tem aprendido muito, assim como eu também. Meu filho tem tirado dúvidas tanto no horário de aula, como fora dele. A senhora está investindo não só no futuro de meu filho como também de todos os alunos. Parabéns pelo seu trabalho”. 

Fonte: GOV MT

Propaganda

POLÍTICA MT

MT registra aumento de apreensões e queda de registros de tráfico e uso de entorpecentes

Publicados

em


Mato Grosso tem ganhado destaque quando o assunto é o combate ao tráfico de drogas. De janeiro a setembro, o Estado aumentou em 25% a quantidade de entorpecentes apreendidos pelas forças de segurança, em comparação com o mesmo período do ano passado, além de apresentar redução de 14% nos registros de tráfico e uso de drogas.

Os dados são do Observatório da Segurança Pública, da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT). Até setembro, quase 12 toneladas de drogas foram apreendidas pelas forças de segurança do Estado. No mesmo período de 2019, este número era de 9,5 toneladas. Já em relação a soma do número de ocorrências de tráfico e uso de entorpecentes, no ano passado tiveram 5.100 registros, enquanto neste ano o número caiu para 4.399 ocorrências.

Se levar em consideração o número de apreensões de drogas por Região Integrada de Segurança Pública (RISP), a de Cáceres, que reúne 12 municípios da região Oeste, está no topo, com aumento de 637% das apreensões. Somente neste ano, a RISP 6 realizou a apreensão de 1,6 tonelada de drogas, enquanto em 2019 apenas 222 kg de entorpecentes foram apreendidos. 

Leia Também:  Detran-MT alerta usuários sobre site falso de leilões de veículos

Inserido na RISP de Cáceres, o Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron) tem ganhado destaque por sua atuação, principalmente na apreensão de entorpecentes. A este fator, o comandante do Gefron, tenente-coronel PM Fábio Ricas, atribui o apoio da Sesp e a participação de Mato Grosso na Operação Hórus, do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

“A Sesp tem respaldado nossa atuação, principalmente com relação a recursos financeiros, que possibilitam o aumento de efetivo nas operações. Outro fator é a participação de nosso estado na Operação Hórus, que ocorre nos estados que fazem fronteira com outros países com foco nos crimes transnacionais e tráfico de drogas”, destacou Ricas. 

Para o comandante, a operação também possibilitou um reforço de efetivo não só do Gefron, mas também da Polícia Militar e da Polícia Judiciária Civil (PJC), propiciando uma maior e melhor atuação na faixa de fronteira.

Outras RISP’s como a de Juína, Primavera do Leste e Vila Rica, também apresentaram aumento na apreensão de entorpecentes, tendo como índices 313%, 219% e 108%, respectivamente. Na Risp de Cuiabá, o aumento foi de 42%, sendo 2,1 toneladas apreendidas em 2019 para 3 toneladas neste ano.

Leia Também:  Todos os municípios de Mato Grosso apresentam risco baixo de contaminação da Covid-19

Para o delegado titular da Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes (DRE), Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, este resultado já está evidente, principalmente nas investigações qualificadas que a PJC tem realizado ao longo do ano.

“Sem sombras de dúvidas, esses resultados são fruto de um novo modelo de política de Segurança Pública implantado nessa gestão. São dois fatores deste modelo que têm surtido efeito: o primeiro é o trabalho integrado entre as forças de segurança e o segundo ponto é a utilização das inteligências policiais, porque isso propicia que você esteja um passo à frente do traficante”, pontuou o titular da DRE.

Armas

A apreensão de armas em Mato Grosso se manteve praticamente estável, registrando aumento de 2%. Em 2019, 1.646 armas foram apreendidas e neste ano já foram 1.674 apreensões.
Entre as regionais que mais apresentaram aumento estão a de Água Boa (50%), Alta Floresta (47%), Barra do Garças (41%) e Tangará da Serra (25%).

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA