POLÍTICA MT

Projeto defende criação de programa de incentivo ao empreendedorismo para imigrantes, refugiados e apátridas

Publicados

em

Motaz e sua família vieram do Sudão. Eles são proprietários de um restaurante de comida árabe em Cuiabá

Foto: Helder Faria

Foto: Helder Faria

Mato Grosso pode passar a contar com o Programa Estadual de Incentivo ao Empreendedorismo para as Populações Imigrantes, Refugiadas e Apátridas, caso o Projeto de Lei 467/2021 seja aprovado e sancionado.

De autoria do deputado estadual Wilson Santos (PSD), o projeto recebeu parecer favorável da Comissão de Direitos Humanos, Cidadania e Amparo à Criança, ao Adolescente e ao Idoso e está apto para apreciação em Plenário.

Conforme a proposta, o programa tem como objetivos garantir ao imigrante, refugiado ou apátrida o acesso a direitos sociais e aos serviços públicos; promover o respeito à diversidade e à interculturalidade; impedir violações de direitos; e fomentar a participação social e desenvolver ações coordenadas com a sociedade civil.

O texto também estabelece os princípios do programa, como igualdade de direitos e de oportunidades, observadas as necessidades específicas dos imigrantes, refugiados e apátridas; e combate à xenofobia, ao racismo, ao preconceito e a quaisquer formas de discriminação.

Entre as diretrizes para atuação do poder público, estão: conferir isonomia no tratamento às populações imigrantes, refugiados e apátridas às diferentes comunidades; e garantir acessibilidade aos serviços públicos, facilitando a identificação do imigrante por meio dos documentos de que for portador.

O novo programa prevê ainda a criação do Conselho Estadual de Imigrantes, Refugiados e Apátridas e de Centros de Oportunidades e Empreendedorismo para Imigrantes, Refugiados e Apátridas, destinados à prestação de serviços específicos para articulação do acesso ao trabalho.

“Os imigrantes, especialmente aqueles em situação de refúgio, passam por inúmeras dificuldades para conseguir emprego formal, como falta de fluência do idioma, barreiras culturais e trâmites burocráticos com documentações. Por isso, para muitos deles, criar seu próprio negócio é a alternativa mais viável. E, embora, por um lado, alguns tenham a alegria de estabelecer laços afetivos com brasileiros, por outro, uma parcela ainda sofre discriminação, ganha pouco e desconhece seus direitos”, ressalta Wilson Santos, na justificativa apresentada junto ao projeto.

Leia Também:  Eleições: Escolha de WF pelos primeiro e segundo suplentes de Senador não agradou a alguns políticos de Mato Grosso

O parlamentar aponta ainda que a maior parte dos imigrantes afirma ter o interesse de empreender em Mato Grosso e está munida dos principais documentos que garantem segurança jurídica, entretanto diversos entraves limitam a sua regularização no mercado de trabalho.

“Outros pontos relevantes que necessitam da atuação do poder público estão na necessidade de garantir que os imigrantes e refugiados tenham acesso aos seus direitos básicos. O desconhecimento dos direitos e deveres acentua as dificuldades, assim como a falta de domínio do idioma, a falta de recursos financeiros para empreender, falta de apoio técnico, desconhecimento dos procedimentos burocráticos-legais para a formalização de um negócio, por exemplo”, acrescenta.

Somente em 2021, a Pastoral do Migrante de Mato Grosso atendeu 3.640 venezuelanos e 1.872 haitianos em situação de vulnerabilidade, além de colombianos, peruanos e cubanos, sendo estes em menor número. O diretor da Pastoral, padre Valdecir Mayer Molinari, explica que as pessoas procuram o local em busca de abrigo, de doação de cestas básicas e de ajuda para tirar documento ou conseguir encaminhamento para um trabalho.

“Hoje temos aproximadamente 900 migrantes cadastrados, cerca de 150 famílias, que nós ajudamos com cestas básicas todos os meses. Há uma dificuldade real para eles conseguirem ingressar no mercado de trabalho e abrir o próprio negócio e mesmo os que conseguem arrumar um emprego enfrentam dificuldades”, relata.

Além das famílias que recebem as cestas básicas, há atualmente 74 pessoas acolhidas no abrigo, quantidade superior à capacidade máxima do local. Em Cuiabá, a prefeitura municipal iniciou, na última segunda-feira (27), um mapeamento de identificação do percentual de imigrantes que residem na cidade.

Leia Também:  CCJR analisa 17 projetos de lei em reunião ordinária

Jackson Hyppolite veio do Haiti para o Brasil em 2013 e se mudou para Cuiabá um mês após a sua chegada. Na capital, formou-se em contabilidade e abriu uma empresa de remessa expressa. 

O processo para viabilizar a abertura da empresa, no entanto, não foi nada fácil. Ele enfrentou muitos obstáculos por ser estrangeiro, principalmente no que se refere à documentação e empecilhos colocados pelo banco, e levou oito meses para conseguir formalizá-la. Nesse período, não pode ter acesso aos recursos das comissões pagas pelos produtos ou recursos financeiros enviados ao exterior.

Diante da experiência negativa que vivenciou, Jackson considera positiva a proposta que está em tramitação na Assembleia Legislativa. “Nós viemos de um país onde há poucas oportunidades de emprego, por isso temos sempre a mentalidade de abrir nossos próprios negócios. Se conseguirmos formalizar nossas empresas de maneira mais simples, isso será muito bom”, avalia.

Limia Ali veio do Sudão para o Brasil com o marido, Motaz Mobarak, em 2001 e desde 2006 residem em Mato Grosso. Para tentar superar a dor pela perda do filho Mobarak Motaz – que faleceu aos 11 anos com leucemia -, eles decidiram abrir um restaurante de comida árabe. 

Ao contrário de Jackson, ela afirma que não encontrou problemas para formalizar a empresa. Atualmente, porém, a família enfrenta dificuldades em manter o restaurante e deseja transformá-lo em um centro cultural. Para isso, precisam de ajuda e Limia acredita que a criação de um Programa Estadual de Incentivo ao Empreendedorismo para as Populações Imigrantes, Refugiadas e Apátridas será importante. “Se tivermos essa ajuda vai ser muito bom”, afirma.

Fonte: ALMT

Propaganda

POLÍTICA MT

Em primeira reunião de campanha Ícaro afirma: ‘Várzea Grande está com Juca do Guaraná”

Publicados

em

Na noite desta terça-feira (16), o candidato a deputado estadual, Juca do Guaraná Filho (MDB), realizou a sua primeira reunião de campanha em Várzea Grande, junto ao deputado federal e candidato à reeleição, Emanuelzinho Pinheiro (MDB), e recebeu o reforço do vereador Ícaro Reveles (PDT).

A reunião contou com a presença de diversas lideranças locais, amigos e familiares do vereador Ícaro. O parlamentar era um dos nomes mais cotados nas pesquisas para disputar uma vaga na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), mas por questões partidárias decidiu não se candidatar e apoiar Juca do Guaraná Filho na corrida eleitoral.

“Nós com muita maturidade, sentamos e conversamos com todos, pra gente realmente escolher os melhores nomes entre os deputados, que abraçassem as nossas bandeiras e que principalmente viessem reforçar o time de Várzea Grande”, disse o vereador.

Juca do Guaraná Filho aproveitou a oportunidade para reforçar mais uma vez seu compromisso com Várzea Grande e enfatizou que o Estado precisa de um deputado estadual que não se esqueça da cidade e que lute para enviar recursos para a região.

Leia Também:  Prefeito de Campo Verde MT Alexandre Lopes migra do PSD para o União Brasil declarando alinhamento com o Governo de Mato Grosso

“Temos um compromisso com Várzea Grande. Nós vamos olhar com carinho para essa cidade. Há muito tempo não temos um deputado que assuma Várzea Grande como se fosse a sua cidade, mas eu vou assumir com seu apoio”, garantiu Juca durante a reunião.

O candidato à cadeira na ALMT, também demonstrou a sua felicidade com o reforço do vereador Ícaro na campanha eleitoral. 

“O apoio do Ícaro, não é o apoio de um vereador, é o apoio do vereador. De um grande vereador. Se fosse pra eu escolher alguém pra me apoiar, com certeza, eu escolheria você e Deus me abençoou para estarmos juntos nessa caminhada”, disse Juca ao parlamentar.

Outro nome de peso que já declarou apoio ao Juca do Guaraná Filho é o deputado federal e candidato à reeleição, Emanuelzinho Pinheiro, que mais uma vez fez questão de elogiar o emedebista.

“O Ícaro escolheu muito sabiamente porque o Juca é um grande nome para representar a baixada cuiabana, Cuiabá, Várzea Grande, Poconé, Rosário Oeste, Barão de Melgaço, Chapada do Guimarães, Acorizal, Jangada e todo Mato Grosso na Assembleia Legislativa”, disse Emanuelzinho.

Leia Também:  MM diz que "esse negócio de direita e esquerda, não dá" e minimiza o fato de o PSB estar unido a grupos de esquerda

O candidato Juca do Guaraná Filho, já havia recebido apoio de outras lideranças de Várzea Grande, como do empresário Ezaltino Metelo, Jajah Neves, dentre outros.

Fonte: Eleições 2022

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI