POLÍTICA MT

Sema apreende pescado, animais e aves silvestres e armas em Água Boa

Publicados

em


.

Pescados de diversas espécies, animais e aves silvestres, armas de fogo e munições foram apreendidos por equipe da Coordenadoria de Fiscalização de Fauna (CFF), da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), em conjunto com a 2° Companhia Ambiental de Rondonópolis, em operações realizadas no Município de Água Boa.

As duas ações foram realizadas no sábado (12), no Rio Couto de Magalhães e MT 414, próximo ao Distrito da Serrinha. Os fiscais aprenderam 108,8 quilos de pescados de diversas espécies e aplicaram mais de R$16 mil em multas. Três pessoas foram conduzidas para a delegacia.

1ª Ocorrência

Os fiscais apreenderam nesta ocorrência 16 quilos de pescado (matrinchã, piau e curimbatá), um animal silvestre (Tatu Galinha), um mutum, cinco Perdizes, um papagaio, um gavião desfigurado (uma cabeça, duas garras e 33 penas), um casco de jabuti, um casco de Tracajá, uma rede de pesca com 20 metros de extensão, 658 munições calibre 22 intactas, 13 munições calibre 38 intactas,

Também foram apreendidos  um freezer, uma rede de pesca com 20 metros de extensão, um alçapão usado para captura de pássaros, 658 Munições calibre 22 intactas, 13 Munições calibre 38 intactas, um revólver (Taurus), calibre 38 e um rifle (Marlin CPAL) calibre 22. 

Leia Também:  No topo da produção nacional de grãos, Sapezal comemora 26 anos; Governo celebra com repasses em dia e ajuda no combate à Covid 19

Duas pessoas foram conduzidas para a delegacia de polícia de Água Boa. Os infratores foram multados em R$8,2 mil por pescar sem documento de origem, ter em cativeiro animal silvestre sem autorização do órgão ambiental competente, matar animal da fauna silvestre (tatu galinha), matar aves da fauna silvestre (mutum e perdiz) porte irregular de arma de fogo e de munição.

2ª Ocorrência

Foram apreendidos 92 quilos de pescados das espécies de Matrinchã e cachara, e uma rifle (Itajubá Brasil), calibre 22.

O infrator recebeu multa de R$ 7,8 mil por transporte de pescado sem documento de origem e pescado oriundo da pesca predatória fora da medida permitida por lei e posse irregular de arma de fogo. Uma pessoa foi conduzida para a delegacia.

Atividade essencial

As atividades de fiscalização ambiental que incluem as ações de monitoramento e controle de crimes ambientais como desmatamento e exploração florestal ilegal, pesca predatória, caça ilegal, poluição causada por empreendimentos, dentre outros, seguem em pleno funcionamento.

De acordo com o Decreto Estadual 432/2020, a fiscalização ambiental é considerada atividade essencial no Estado. Ao se deparar com crimes ambientais, o cidadão pode fazer denúncias pelo 0800 65 3838 ou via aplicativo MT Cidadão (disponível para IOS e Android).

Leia Também:  Forças de segurança e reeducandos somam esforços no combate ao fogo e resgate de animais

Regras da pesca

Os pescadores profissionais e amadores devem seguir as regras determinadas pela Lei Estadual nº 9.096/2009, que estabelece a proibição para uso de apetrechos de pesca como tarrafa, rede, espinhel, cercado, covo, pari, fisga, gancho, garateia pelo processo de lambada, substâncias explosivas ou tóxicas, equipamento sonoro, elétrico ou luminoso.

As medidas mínimas dos peixes constam na carteira de pesca do Estado e algumas delas são: piraputanga (30 cm), curimbatá e piavuçu (38 cm), pacu (45 cm), barbado (60 cm), cachara (80 cm), pintado (85 cm) e jaú (95 cm).

O regramento em Mato Grosso proíbe a captura, comercialização e transporte das espécies dourado (Salminus brasiliensis) e piraíba (Brachyplatystoma filamentosum), conforme estabelecido na Lei 9.794/2012.

Denúncias

O cidadão pode denunciar a pesca predatória e outros crimes ambientais à Ouvidoria Setorial da Sema: 0800-65-3838 ou via WhatsApp no (65) 99281- 4144. Outros telefones para informações e denúncias: (65) 3613-7394 (Setor Pesca), nas unidades regionais da Sema ou aplicativo MT Cidadão.

Fonte: GOV MT

Propaganda

POLÍTICA MT

Violência no trânsito custou R$ 28,5 milhões para a Saúde de Mato Grosso em 5 anos

Publicados

em


.

Dados estatísticos do Sistema Único de Saúde (SUS) apontam que, no período de 2014 a 2018, ocorreram mais de 26 mil internações ao custo de R$ 28,5 milhões em Mato Grosso. No país, foram R$ 14 bilhões em custos para o SUS somente no ano de 2019.

Esses dados são considerados alarmantes pelas autoridades de trânsito e por profissionais da área da saúde pública estadual e estão em debate no I Encontro Mato-grossense de Mobilidade Segura e Vida no Trânsito, realizado pelo Governo do Estado, por meio de diversas secretarias e órgãos do Executivo.

O evento é realizado no momento em que se completa 10 anos de existência do Programa Vida no Trânsito – instituído pelo Ministério da Saúde. Desde 2019 que o assunto passou a ser tratado de forma integrada por diversas áreas do Governo Estadual, que instituiu o Comitê Intersetorial do Programa de Vida no Trânsito, com coordenação central no âmbito da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT).

A primeira parte da programação do evento teve início na última sexta-feira (18.09), com transmissão de palestras de doutores e especialistas em mobilidade, arquitetura urbana e em saúde coletiva, que trataram de temas voltados para a promoção da paz, da saúde e da segurança no trânsito. O encontro também contou com a presença de autoridades estaduais da área do trânsito.

De acordo com os membros do Comitê que representam a pasta da saúde estadual, Rosiene Rosa Pires, coordenadora de Promoção e Humanização da Saúde, e Aparecido Samuel de Castro, coordenador do Comitê, o trânsito passou a integrar as ações de promoção da saúde no âmbito da SES desde 2019, em razão do alto índice de internações causadas por acidentes e violência no trânsito.

Leia Também:  Diamantino faz aniversário e Governo comemora junto com obras, repasses em dia e ajuda no combate à pandemia

O processo de implantação deste serviço contou com o apoio técnico do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). A finalidade é interferir na realidade do trânsito para a promoção de melhorias na segurança e para a promoção da paz e da saúde nessa área.

Mobilidade um direito social

De acordo com a representante do Conass, Mércia Gomes Oliveira de Carvalho, doutora em ciência na área da saúde pela Universidade de Brasília (UnB), a violência no trânsito é a segunda causa de morte no país, sendo os jovens na faixa etária de 20 a 39 anos de idade as principais vítimas, de acordo com dados do Ministério da Saúde no ano de 2017.

A arquiteta e consultora em urbanismo da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Silmara Vieira, enfatiza que a mobilidade é um direito social e que dá acesso a outros direitos da cidade, considerando que 80% da população brasileira residem em área urbana. Para a arquiteta, a violência de trânsito pode ser evitada, com medidas de intervenção na engenharia da mobilidade, voltadas para a segurança e para a saúde das pessoas. “As cidades ainda são planejadas para os veículos e não para as pessoas”, destacou.

Leia Também:  Assembleia Social entrega kits a 10 famílias atendidas pelo Caps do CPA para marcar o Setembro Amarelo

Para o presidente do Conselho Estadual de Trânsito (CETRAN-MT) e diretor executivo do DETRAN, José Eudes, o trânsito está interferindo na saúde do cidadão. A mudança de comportamento deve existir para que se promova a cultura de paz no trânsito.

Acidentes e pandemia

O representante do Batalhão da PM de Trânsito, o 1º Tenente da PM Carlos Manoel Sanches destaca o alto índice de acidentes com motos, que ocupa o primeiro lugar no ranking de acidentes e violência no trânsito, no ano de 2019. “É alarmante essa quantidade de acidentes e gera um impacto grande em diversas áreas e especialmente na esfera da saúde pública”, enfatizou.

Segundo dados da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, no período de janeiro a agosto dos anos de 2019 e 2020, houve uma diminuição a partir de março em razão da pandemia e do isolamento social. Porém, com a flexibilização da mobilidade social, já houve aumento das ocorrências.

Serviço

O evento conta com transmissão em tempo real, via canal do YouTube da Escola de Saúde Pública (ESP-MT) e a programação prossegue até o dia 21 de setembro.

A programação do I Encontro Mato-grossense de Mobilidade Segura e Vida no Trânsito pode ser acessada pelo link: http://www.saude.mt.gov.br/upload/noticia/1/arquivo/170920110630-SES-MT-A-programacao.pdf

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA