POLÍTICA MT

Setasc é ponto de coleta de tampinhas de plástico para ajudar animais abandonados

Publicados

em


A Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc) é um ponto de coleta do projeto que visa retirar plásticos recicláveis do meio ambiente e ajudar animais de rua, o Tampatinhas. Servidores, contribuintes e a sociedade em geral poderão contribuir, juntando e doando tampinhas plásticas.

Através da coleta e venda desses materiais recicláveis é possível custear castrações em animais de rua abandonados e que são vítimas de maus tratos. Podem ser doadas desde tampinhas de garrafas pet, passando por tampas de produtos de limpeza, de xampu, de creme dental, de hidratantes, de óleo de cozinha, de requeijão, de margarina, de sucos, de maionese, de molhos prontos e de condicionador de cabelo, por exemplo. A única orientação é de que antes do descarte nos pontos de coleta, as tampinhas sejam lavadas para evitar a proliferação de odores e bactérias.

A iniciativa, criada há dois meses, já conta com 50 unidades coletoras espalhadas por diversos pontos em Cuiabá e Várzea Grande. Além da Setasc, os pontos de coleta são: Escola Estadual Pascoal Moreira Cabral (Jardim Imperial), nos condomínios: Rio Manso, Rio Claro, Rio Cachoeirinha e Belvedere. Sede do Detran, Procuradoria Geral do Estado (PGE), Café Havana – Shopping Pantanal, Papelaria Universitária, CETEPS, Petshop Mundo Animal – Shopping Estação, Petshop Agropev Cuiabá e VG, Clínica Bellus e Hotel Novo Lar, dentre outros.

Leia Também:  Estabelecimentos comerciais terão que divulgar Disque Denúncia 180

A idealizadora do projeto, Kelly Rondon, explica que o Tampatinhas tem preocupação com a causa animal e ambiental. “Estamos preocupados com o descontrole populacional causado pelo abandono dos animais que não recebem cuidados adequados. Uma das principais alternativas para driblar essa situação, é a castração desses animais. Além disso, os números de animais de rua vítimas de maus tratos são alarmantes”, pontuou.

Segundo ela, para castrar um gato são necessários 200 quilos de tampinhas para atingir o valor de uma castração. Já para um cachorro, são 400 quilos.

“O projeto ainda visa retirar do meio ambiente quilos e mais quilos de materiais que podem ser reciclados, que se acumulam com facilidade nos leitos e margens de rio, córregos e nascentes e gerar renda”.

Ludmylla Bianchini, que atua no Assessoria Jurídica da Setasc e uma das  voluntárias do grupo Tampatinhas, ressaltou a importância de fazer o bem aos animais que vivem nas ruas. “O nosso objetivo é utilizar o dinheiro arrecadado com a venda das tampinhas para castrar os animais. Todo material que pode ser reciclado gera um valor e toda renda gerada será destinada aos animais de rua para castração”, salientou.

Leia Também:  Risco de automedicação deve ser divulgado nas farmácias e drogarias

Dados

Dados levantados pelo Instituto Pet Brasil (IPB), em 2019, mostram que há mais de 54 milhões de cachorros e 24 milhões de gatos abandonados.

Informações

Entre em contato com projeto Tampatinhas através do contato (65) 98116 – 9510 ou acesse o endereço eletrônico pelo aplicativo Instagram: @tampatinhascuiaba .

Fonte: GOV MT

Propaganda

POLÍTICA MT

Novos delegados irão atuar em 11 regionais da Polícia Civil no interior do estado

Publicados

em


Eles vieram de doze estados brasileiros e, juntos aos mato-grossenses que formam a turma de novos delegados da Polícia Civil de Mato Grosso, foram em busca de concretizar um sonho. Neste 29 de outubro concluíram, com a formatura, a última das etapas do concurso público para o cargo de delegado de Polícia e os 30 profissionais têm uma palavra para resumir essa trajetória: resiliência. A partir de agora, a resiliência continuará a fazer parte da vida de cada um, pois os desafios do trabalho cotidiano, as inúmeras diligências, investigações, inquéritos que virão pela frente pedem de cada profissional a capacidade de transformar adversidade em oportunidade.

Os 30 novos profissionais, sendo três mulheres na turma, serão lotados em delegacias de 11  regionais da Polícia Civil no interior de Mato Grosso.

O orador da turma, Honório Gonçalves dos Anjos Neto, natural da pequena Poxoréu, no sul do estado, resumiu a ansiedade e trajetória de cada um dos colegas da turma. “Hoje se encerra um ciclo. Portar o distintivo policial e vestir a camisa da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso não é mais um sonho. É realidade. E não foi fácil chegar até aqui. O caminho foi árduo, de muito estudo, dedicação, planejamento e abdicação. Todos passaram por diversas etapas de um certame de concorrência acirrada, afinal, foram 14 mil inscritos no concurso realizado em 2017. Se existe uma palavra que resume todo o processo pelo qual nós passamos é a resiliência, palavra que é uma das características fundamentais do Policial Civil”, destacou o novo delegado.

Bruna Caroline Laet conhece bem a realidade da Polícia Civil, mas o cargo de delegada traz ainda mais responsabilidades para quem já fez parte da instituição. Aos 29 anos, ela é uma das três delegadas da turma. Em 2015 ingressou na Polícia Civil no cargo de investigadora, que exerceu até ser nomeada delegada. “No primeiro semestre da faculdade de Direito assisti a uma palestra de um delegado de Polícia e me identifiquei com a carreira policial. Ao término da graduação direcionei meus estudos para concursos na área com o objetivo de ser delegada e cheguei até aqui”, comemora.

Filhos de pais advogados, o cuiabano Philipe Pinho conta que cresceu dentro de um escritório de advocacia e queria exercer a profissão tão familiar, até o quarto ano da faculdade de direito na UFMT, quando então optou por estudar para concursos. “No último ano de faculdade fui aprovado para técnico do DNIT, onde trabalhei por dois anos como pregoeiro e assistente jurídico. Depois fui nomeado Oficial de Justiça na Capital, onde trabalhei por mais quatro anos. A carreira de delegado em Mato Grosso era considerada um sonho distante, já que é uma das mais respeitadas e concorridas do Brasil. Com esforço e dedicação fui brindado com um bom resultado e pude realizar esse sonho”, afirma um dos novos delegados.

Leia Também:  Servidores da Sedec MT contam o porquê de escolherem a carreira

Para o diretor da Acadepol, delegado Welber Franco, a realização do curso de formação neste ano trouxe desafios a todos, diante das restrições em função da pandemia e também das adaptações necessárias para não deixar de atender a grade curricular. “Os desafios e as oportunidades de nos reinventarmos foram constantes e conseguimos superar e chegar neste momento”, afirmou o diretor, que junto ao adjunto da academia, delegado Joaquim Leitão, coordenou o 16º curso de formação.

Com a presença do governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, de toda a diretoria da Polícia Civil e autoridades civis e militares do estado, a formatura da 16º Curso de Formação da Academia da Policia Civil reuniu também familiares dos formandos, alguns vindos de estados mais distantes como Pernambuco, como a do delegado Hugo Abdon Lima. A mãe dele, a também policial civil pernambucana Rosemary Lima, era só orgulho e resume o sentimento de todas as famílias presentes. “Como mãe me sinto realizada, pois ele se dedica e tenho certeza de que se empenhará em sua trajetória da mesma forma como se dedicou até chegar aqui, assim como todos os outros da turma. Estou entregando meu filho ao Estado de Mato Grosso e só desejo sucesso e engrandecimento para a corporação. Ele foi vitorioso, pois enquanto outros estados estão parados por diversas dificuldades, sem concursos, ele está recebendo a oportunidade de trabalho e premiação por toda a luta para chegar até aqui. E digo a todos pais e mães que  Deus abençoará a cada um deles”.

Desafios de uma polícia mais moderna

Empenhado junto com toda a diretoria em ações para modernizar as atividades da Polícia Civil, o delegado-geral da instituição, Mário Dermeval Aravéchia de Resende, destacou também a capacidade que cada profissional deve ter para lidar com as adversidades cotidianas e saber transformá-las em melhores oportunidades de trabalho. “Com um estado gigantesco que temos, em uma área territorial que cabem três estados de São Paulo e crescimento maior que a China, os desafios não faltam e as oportunidades também. Temos aqui uma turma bastante diversa, alguns com experiência em outras áreas do serviço público, inclusive policial, outros não, mas com imensa responsabilidade e todos com garra e determinação e para trabalhar e fazer o melhor em cada cidade onde irão atuar e mostrar o bom nome da Polícia Civil. Aliem-se às instituições e formem um time coeso de combate ao crime e não permitam-se contaminar por pensamentos contraproducentes e busquem não enxergar problemas, mas desafios”.

Leia Também:  Quinta-feira (29): Mato Grosso registra 143.047 casos e 3.841 óbitos por Covid-19

O delegado-geral frisou ainda que a nova turma chega em um momento em que a Polícia Civil caminha para a concretização da tecnologia, com modernização operacional, como 100% do inquérito eletrônico, que em um mês de completo implantação em todas as unidades policiais já conta com mais de 10 mil ajuizamentos, projeto que gera economia e maior funcionalidade. Dentro da modernização, Mário Dermeval destaca ainda outras ações que estão no ‘forno’ como o reconhecimento facial, o TCO avançado e captura de imagens em 3D para materiais apreendidos. “Momento complexo, mas um futuro seguramente feliz, em que poderão mostrar excelentes resultados”, concluiu o delegado-geral.

Fazer a diferença na vida das pessoas

Encerrando a formatura, o governador Mauro Mendes agradeceu aos formando que agora fazem parte do grande time de mais de 50 mil servidores públicos estaduais da ativa. “Obrigado a todos vocês por escolher Mato Grosso. Tenho certeza de que vão honrar o cargo para o qual foram formados. O delegado-geral esteve lá em meu gabinete muitas vezes em busca da nomeação dos novos delegados. E você Mário apresentou resultados e foi perseverante pela instituição. Muitas pessoas dizem que gostariam de ser servidores públicos, mas muitos não pagam o preço para chegar até aqui. Estar onde vocês estão não foi e não é fácil e por isso sempre digo, que devemos ter sempre em mente a capacidade de compreensão do papel de cada um, que encontre seu objetivo que faça sentido na vida de cada um. A nossa missão é atender e servir a sociedade e como tal precisamos encontrar esse propósito de decidir pelo melhor e fazer a diferença na vida das pessoas, aplicando a lei, que é o parâmetro de nossa sociedade”, finalizou.

A 16ª turma da Academia de Polícia Civil de Mato Grosso é composta por delegados oriundos de Mato Grosso, Minas Gerais, Bahia, São Paulo, Pernambuco, Rondônia, Mato Grosso do Sul, Goiás, Paraná, Piauí, Santa Catarina, Maranhão e Rio de Janeiro.

Participaram da solenidade os diretores da Policia Civil: Walfrido Nascimento (Interior), Ana Paula de Faria Campos (Metropolitana), Daniela Maidel (Execução Estratégica) Juliano Carvalho (Inteligência), Fernando Pigozzi (Atividades Especiais), Jesset Arilson Munhoz (Corregedor). Também acompanharam a formatura as seguintes autoridades: secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, secretário adjunto de Inteligência da Sesp, Wylton Massao Ohara, comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Alessandro Borges, coronel Jonildo José de Assis, comandante-geral da PM, diretor-geral da Politec, Rubens Okada, superintendente da PF em Mato Grosso, Sérgio Mori.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA