POLÍTICA MT

Tributos estaduais: Governo já repassou R$ 2.715 bilhões aos municípios

Publicados

em


O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Fazenda, já repassou este ano aos 141 municípios mato-grossenses, recursos da ordem de R$ 2.715.291.864,22. O repasse do ICMS chega a R$ 2.233 bilhões, que corresponde a 82% de toda a arrecadação. Já as transferências relativas ao IPVA somam R$ 299.566.497 milhões (11,2%) e as do Fethab combustível, R$ 181.969 milhões (6,8%).

A distribuição da arrecadação é feita da seguinte maneira:  ICMS abrange 25%, do total arrecadado no município; o IPVA é de 50% e o Fethab combustível também 50% do total, depois de descontados 17,34% que vão para os demais poderes.

A determinação do governador Mauro Mendes e que vem sendo seguida à risca pela Secretaria de Fazenda, é que não haja de maneira alguma atraso no repasse aos municípios. A comprovação de que isso vem ocorrendo é o fato que não se ouvem ou se leem notícias sobre queixas de prefeitos quanto aos atrasos nos repasses de recursos cuja origem é o Tesouro estadual.

Leia Também:  Painel de vagas do Sine MT oferta mais 1,7 mil oportunidades nesta semana

“Estamos fazendo nossa obrigação de cumprirmos o calendário de repasses. Sabemos que os municípios dependem desses recursos para manterem suas estruturas funcionando”, afirma o secretário de Fazenda Rogério Gallo.

O repasse do ICMS é feito às terças-feiras, salvo quando neste dia da semana for um feriado. Já os repasses do IPVA são feitos diariamente e os do Fethab combustível mensalmente.

Cuiabá foi o município que mais recebeu recursos. Ao todo a capital mato-grossense recebeu R$ 337.869 milhões. Rondonópolis vem a seguir com R$ 215.798 milhões e Várzea Grande que recebeu R$ 110.537 milhões.

Fonte: GOV MT

Propaganda

POLÍTICA MT

Oncologista alerta que o envelhecimento é um fator de risco para o câncer de mama

Publicados

em


Entre todos os tipos de câncer, o que mais acomete as mulheres é o de mama. E os dois principais fatores de risco para a doença são: ser mulher, e o envelhecimento, afirma a oncologista Carla Nakata, que é credenciado ao Mato Grosso Saúde.
 
O alerta é para que as mulheres acima dos 45 anos, e principalmente na terceira idade, intensifiquem os cuidados para monitorar a saúde, já que é nesta fase da vida que o câncer de mama é mais frequente.
 
“O câncer de mama pode acontecer em qualquer fase da vida, porém é mais frequente por volta dos 45, aos 65 anos de idade. Por isto, é importante o rastreamento e o diagnóstico precoce, ou seja, logo no início do câncer. A chance de essa mulher ficar curada ao longo da vida é muito alta, girando em torno de 95% a 98%, dependendo do caso. Quando eu diagnostico essa mulher em um quadro avançado as chances diminuem”, explica
 
A paciente que tem o diagnóstico precoce pode precisar de menos procedimentos onerosos, e mais complicados. “Às vezes a paciente que identificou um câncer no início nem vai precisar de quimioterapia. Sem contar que ela vai ficar curada, podendo voltar a fazer as suas atividades normais, que é o sucesso do tratamento”, avalia.
 
Outros fatores de risco envolvidos são a obesidade, genética (vários casos de câncer de mama na família), ou o uso de terapia hormonal para pacientes que entram na menopausa, mas para 95% das mulheres, a doença vai acontecer ao acaso.
 
“O fator de proteção seria a amamentação. Quanto maior o número de filhos e a amamentação, por quanto mais tempo melhor é a proteção para um câncer de mama”, ressalta.
 
Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), são esperados 66 mil casos de diagnósticos novos de câncer de mama no País. A cada 100 mil mulheres, 61 serão acometidas com a doença. “A incidência é alta, e por isso que a gente faz esse programa de conscientização das mulheres para fazer o rastreamento do câncer de mama”.
 
Como detectar
 
O diagnóstico precoce passa por um exame de mamografia, ou ultrassom, que são fáceis e baratos. O auto exame de toque nos seios pode ajudar a paciente a perceber algum nódulo e procurar o mais breve um médico para os exames e o diagnóstico.
 
“Na maioria das vezes o câncer é assintomático. O sintoma mais frequente é a mulher sentir um caroço na mama, ou na axila. Esse caroço não dói, é endurecido, fixo. Pode ficar com a mama vermelha, pele com aspecto de casca de laranja, mais grossa com pontinhos, pode haver uma inversão do mamilo, pode haver dor, mas são sintomas menos comuns”, conta a especialista.
Fonte: GOV MT

Leia Também:  Delegado Claudinei discute demandas da educação de Rondonópolis na Seduc
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA