POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro diz que filiação ao Patriota está com ‘meio caminho andado’

Publicados

em


source
Presidente Jair Bolsonaro relata que sua filiação ao Patriota está próxima
Agência Brasil

Presidente Jair Bolsonaro relata que sua filiação ao Patriota está próxima

O presidente Jair Bolsonaro comunicou a parlamentares do PSL que está “meio caminho andado para Patriota”, apesar da disputa interna entre dirigentes do partido. Na reunião no final da tarde desta quarta-feira no Palácio da Alvorada, Bolsonaro demonstrou confiança que a situação será resolvida nas “próximas semanas” pelo  senador Flávio Bolsonaro (RJ) e o presidente do Patriota, Adilson Barroso.

Segundo relatos de participantes da reunião, Bolsonaro afirmou ainda que não tem chance de retornar ao PSL – sigla pelo qual se elegeu em 2018. Alguns deputados, mais uma vez, fizeram um apelo para que o presidente reavaliasse uma vez que o PSL é dono da segunda maior fatia do fundo eleitoral e de tempo de TV, somente atrás do PT . Aliados argumentaram que a sigla, antes um nanico, só alcançou esta condição por causa do presidente. A torcida entre alguns é que Bolsonaro reveja a decisão.

Bolsonaro, por sua vez, disse a aliados que ninguém será obrigado a mudar de partido. Entretanto, parlamentares mais próximos ao Palácio do Planalto também devem fazer a migração. Estiveram na reunião nesta quarta-feira os deputados Hélio Lopes, Carlos Jordy, Carla Zambelli, Bia Kicis, entre outros.

Bolsonaro tem demonstrado sua intenção de definir, ainda neste ano, por qual partido será candidato em 2022. O presidente sempre reforçou que deseja uma sigla que seja sua, isto é, sobre a qual tenha total poder de decisão, incluindo nomeações para diretórios e outros postos da hierarquia partidária.

Leia Também:  Rachadinha: MP alega que funcionários de Carlos Bolsonaro combinaram depoimentos

Articulador político do clã Bolsonaro, Flávio ingressou no Patriota no dia 31 de maio. No dia seguinte, Bolsonaro recebeu o convite do presidente do Patriota para também se filiar. Barroso, no entanto, é acusado de cometer irregularidades para obter maioria na legenda e garantir o partido ao grupo do presidente da República.

Barroso já realizou duas convenção para tentar mudar as regras internas do Patriota. A ala representada por Resende, entretanto, promete entrar na Justiça para reverter a decisão.

Você viu?

Além disso, outros nomes do partido também já indicaram que deixariam a sigla caso Bolsonaro entre, como o deputado estadual por São Paulo, Arthur do Val, cotado para ser candidato a governador do estado no ano que vem.

O Patriota quase recebeu o presidente Bolsonaro em 2018, antes de sua filiação ao PSL . Um evento para marcar a entrada do então deputado federal no partido chegou a ser marcada e o próprio nome da sigla, até então Partido Ecológico Nacional, foi alterado a pedido de Bolsonaro. Entretanto, de última hora, por recomendação de aliados, Bolsonaro desistiu de se filiar e escolheu o PSL, partido pelo qual foi eleito.

Nesta quarta-feira, o vice-presidente da legenda, Ovasco Resende, convocou uma nova convenção da sigla para o dia 24 de junho como forma de barrar as mudanças feitas por Barroso. Essa é a terceira convenção do partido marcada nas últimas semanas.

Leia Também:  Debatedores querem ampliar discussão dos limites do Parque Nacional de São Joaquim

Na primeira, realizada no dia 31 de maio, houve mudança do estatuto e Flávio Bolsonaro filiou-se à legenda. Entretanto, o grupo de Resende apontou irregularidades e um cartório de Brasília emitiu uma nota devolutiva — documento utilizado para cobrar esclarecimentos — dando 30 dias para a entrega de documentos que explicassem a “eventual não satisfação do quorum qualificado” na convenção.


Após a contestação do cartório, uma nova convenção foi convocada por Barroso e realizada na última segunda-feira, novamente com mudança no estatuto. No evento, Barroso disse que esperava ter solucionado as contestações sobre o quorum. Flávio participou da convenção e fez um discurso apaziguador, dizendo que disputa interna só traz prejuízos.

Em 2018, ele estava em negociações avançar com Barroso, que chegou a mudar o nome a sigla de Partido Ecológico Nacional (PEN) para Patriota para receber o então deputado federal Bolsonaro como candidato à Presidência. Após interferência do advogado Gustavo Bebianno, ex-ministro morto em 2020, Bolsonaro se filiou ao PSL.

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Comissão adia para esta quinta-feira votação da reforma administrativa

Publicados

em


Reprodução/TV Câmara
Comissão da Reforma Administrativa em reunião na noite desta quarta-feira

A Comissão Especial da Reforma Administrativa adiou novamente para esta quinta-feira (23), às 9 horas, a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20. A oposição ameaçou pedir ao Supremo Tribunal Federal para cancelar a reunião porque o relatório havia sido entregue depois do prazo combinado e o relator, deputado Arthur Oliveira Maia (DEM-BA), apresentou mudanças no texto depois que os deputados já tinham apresentado 26 destaques.

A reunião da noite desta quarta-feira (22) chegou a ser interrompida por quase uma hora para tentar um acordo para votação ou leitura do relatório, sem sucesso.

Apesar de ter comemorado algumas das mudanças no relatório de Arthur Oliveira Maia, a oposição fez seguidas manobras de obstrução. No entanto, os deputados contrários à reforma administrativa somente esperam derrubar a proposta no Plenário. “A PEC não tem o apoio necessário de 308 deputados”, calculou o deputado André Figueiredo (PDT-CE).

Cooperação e temporários
O novo relatório da reforma administrativa apresentado nesta quarta-feira pelo deputado Arthur Oliveira Maia excluiu os instrumentos de cooperação com empresas privadas. Esta era uma das principais críticas da oposição, que entendia que os convênios poderiam desviar recursos da Saúde e da Educação e prejudicar a qualidade de serviços públicos.

Leia Também:  Senado aprova MP que cria a Autoridade Nacional de Segurança Nuclear

“É preciso que se organizem e se uniformizem os critérios de parceria entre entes públicos e privados, mas não houve a necessária compreensão dos colegas em relação ao formato adotado”, explicou o relator.

Outro ponto fortemente criticado foram as regras para contratações temporárias, que segundo a oposição levariam à redução do número de servidores concursados. Arthur Oliveira Maia reduziu o prazo máximo dos contratos de dez anos para seis anos.

O relator destacou que os contratos temporários terão processo seletivo impessoal, ainda que simplificado, e os contratados terão direitos trabalhistas. O processo seletivo simplificado só é dispensado em caso de urgência extrema.

Mais informações em instantes

Reportagem – Francisco Brandão
Edição – Pierre Triboli

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA