POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro sobre reeleição: “Devo disputar, não posso garantir”

Publicados

em


source
Presidente Jair Bolsonaro
Reprodução iG Minas Gerais

Presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que “deve” disputar a reeleição em 2022, mas que não pode “garantir” isso. Apesar de já adotar uma postura de candidato, e de frequentemente dizer que pode sair do governo só em 2026, Bolsonaro ainda não confirmou se disputará a reeleição.

A declaração foi feita em entrevista à rádio Mundial, da Bahia, enquanto o presidente falava sobre a busca de um partido político . Ele voltou a dizer que uma das opções é se filiar ao PP.

“Eu tenho que ter um partido político. Não sei se vou disputar as eleições do ano que vem. Devo disputar, não posso garantir. Temos conversado com vários partidos, entre eles o Partido Progressista, ao qual integrei por aproximadamente 20 anos ao longo de 28 que eu fui deputado federal.”

Bolsonaro também comentou a nomeação do senador Ciro Nogueira (PP-PI) para a Casa Civil , classificada por ele como “ministério mais importante do governo”:

Leia Também:  Congresso fica iluminado de laranja neste sábado pelo Dia Mundial do Doador de Medula Óssea

“Trouxe para dentro da Presidência agora, (para) o ministério mais importante nosso, que é o da Casa Civil, o senador Ciro Nogueira, do Piauí, que é um homem adequado para conversar com o Parlamento.”

Você viu?

O presidente disse ter “certeza” de que o diálogo com o Congresso irá melhorar “muito” e afirmou que “ninguém melhor” para essa tarefa do que Nogueira:

“Tenho certeza que a interlocução melhorará e muito. É um ministério muito importante para nós, tendo vista que nós temos que conversar com o Parlamento brasileiro. E ninguém melhor que do que um senador experiente como Ciro Nogueira.”

Sobre Luiz Eduardo Ramos, que chefiava a Casa Civil e foi deslocado para a Secretaria-Geral, Bolsonaro disse que ele é “nota 9”, mas que falta saber conversar com parlamentares.

“O general Ramos é uma pessoa nota 9. Ele não é 10 porque falta para ele um pouco de conhecimento para melhor conversar com o parlamentar. É a mesma coisa eu querer que o Ciro Nogueira converse com o Alto Comando da Forças Armadas.”

Leia Também:  Comissão aprova inclusão expressa de órgãos de segurança no policiamento ambiental

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Comissão debate Programa Casa Verde Amarela

Publicados

em


André Santos/Prefeitura de Uberaba-MG
Habitação - casas - moradia popular conjuntos habitacionais déficit habitacional (Uberaba-MG)
O crescimento da população brasileira vai gerar demanda por mais 30,7 milhões de novos domicílios até 2030, segundo estudo da  FGV

A Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados promove audiência pública na quarta-feira (22) sobre o Programa Casa Verde Amarela do governo federal, criado pela Lei 14118/21.

O debate ocorre no plenário 14, às 10 horas, com transmissão interativa pelo e-Democracia.

O pedido para realização da audiência foi apresentado pelos deputados José Ricardo (PT-AM) e Joseildo Ramos (PT-BA). Eles temem que o novo programa do governo não dê conta de enfrenta o déficit habitacional do País.

“O programa Casa Verde Amarela não prevê aporte significativo de recursos orçamentários para produção habitacional, nem subsídios como havia no Minha Casa Minha Vida Faixa 1, que atendia famílias com renda até R$ 1.800,00, em que as prestações não passavam de 10 % da renda pelo período de 10 anos. Esta faixa responde por mais de 70% do déficit habitacional brasileiro”, destacam os deputados.

Leia Também:  Comissão aprova inclusão expressa de órgãos de segurança no policiamento ambiental

Eles criticam a abertura de novas linhas de financiamento, previstas no programa, com prestação mensal que pode chegar a 30% da renda por um período de 30 anos. “Além disso, as exigências para as famílias acessarem o financiamento (não possuir restrição cadastral, necessidade de parte do valor do imóvel como entrada, comprovação de renda estável) excluem a maior parte das famílias que demandam moradia. Isto confunde o que é Moradia de Interesse Social com Produção de Moradias para o Mercado Imobiliário”, acrescentaram.

Foram convidados para o debate, entre outros:

  • secretário Nacional de Habitação, Alfredo Eduardo dos Santos;
  • representante da União Nacional por Moradia Popular, Alberto Freire;
  • diretora de Relações Institucionais do Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico (IBDU), Rosane de Almeida Tierno.

Da Redação – GM

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA