POLÍTICA NACIONAL

Câmara dos Deputados está entre os finalistas de premiação do Iphan

Publicados

em


.
Victor Diniz
Cultura - Artes Plásticas - Painel Ventania - Salão Verde da Câmara - Athos Bulcão
Painel Ventania, de Athos Bulcão, que fica no Salão Verde da Câmara

A Câmara dos Deputados é finalista no 33º Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade 2020, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A premiação, realizada desde 1987, é voltada às ações de valorização, promoção e preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro que, em razão da sua originalidade, vulto ou caráter exemplar, mereçam registro, divulgação e reconhecimento público.

O Plano de Preservação do Patrimônio Edificado da Câmara dos Deputados – Etapa 1 (3º e 4º Secretarias e Colégio de Líderes), foi escolhido pela Comissão da Superintendência do Iphan/DF para representar Brasília na seletiva nacional na categoria patrimônio material/agente público ou privado.

Elaborado pela equipe do Departamento Técnico (Detec), com apoio da Presidência, da Primeira-Secretaria e da Diretoria-Geral da Casa, a implementação do plano foi aprovada pelo Iphan/DF e conduzida por quadros técnicos da Câmara.

Recuperação de espaços
O Palácio do Congresso Nacional, tombado como Patrimônio Cultural do Brasil desde 2007, foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e, historicamente, adaptou-se às demandas existentes.

Leia Também:   Câmara aprova alterações no Código de Trânsito; texto vai à sanção

No plano de preservação, mais 500m² foram requalificados, objetivando recuperar a circulação e a setorização de áreas vocacionais legislativas do palácio modernista.
Espaços anteriormente ocupados por instituições bancárias foram reformados para absorver espaços da Mesa-Diretora da Câmara, compondo a nova ala das secretarias da Mesa.

O plano também buscou valorizar as obras de arte do prédio com o restauro do painel Ventania, de Athos Bulcão, situado no perímetro da intervenção.

O plano também requalificou o hall das secretarias e o espaço da Lojinha da Câmara. Ambos se configuram como espaços de acolhimento à sociedade brasileira, visitantes institucionais, servidores e parlamentares, alinhando a Câmara dos Deputados e o Congresso Nacional às melhores práticas institucionais de visitação internacionais.

Mais sobre o prêmio
O 33º Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade recebeu mais de 500 inscrições distribuídas por todo o Brasil.

O Plano de Preservação do Patrimônio Edificado da Câmara dos Deputados – Etapa 1 representa o Congresso Nacional, Brasília e o Patrimônio Modernista na seletiva final.

Os vencedores do prêmio serão conhecidos no dia 30 de setembro.

Leia Também:  Deputados visitam áreas de queimadas no Pantanal e apontam omissão do Estado

Da Redação – ND
Com informações da Assessoria de Imprensa da Câmara dos Deputados

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Araújo diz que declarações de Pompeo foram alvo de má tradução

Publicados

em


.

Com audiência concorrida, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, foi nesta quinta-feira (24) à Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado para falar sobre declarações contra o regime de Nicolás Maduro feitas durante a visita do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, a Roraima, na última sexta-feira (18).

O requerimento de convite para a ida do ministro ao colegiado foi motivado pelo fato de alguns parlamentares terem entendido que o secretário usou o Brasil para promover o presidente norte-americano Donald Trump, que está na reta final da campanha pela reeleição e ter feito declarações contra o regime de Maduro.

Tradução

Araújo rechaçou todas as críticas às declarações feitas na coletiva de imprensa ocorrida após visita. Para o brasileiro, um dos elementos mencionados pelo secretário Mike Pompeo foi objeto de polêmica por uma “má tradução”. “Foi traduzido que ele haveria dito: o nosso mundo está consistente. E a gente vai tirar essa pessoa e vai colocar no lugar certo”, como se estivesse referindo a Nicolás Maduro. Na verdade, o que ele disse em inglês, eu vou tentar uma tradução melhor, foi: “nossa vontade é coerente, o nosso trabalho será incansável e chegaremos ao lugar certo”, afirmou.

Leia Também:  Câmara inicia sessão para analisar mudanças na carteira de motorista; acompanhe

Para o chanceler, no contexto de toda a entrevista, fica claro que as afirmações foram feitas a partir de uma perspectiva humanitária, de defesa dos direitos humanos. Ao ressaltar que, para o Brasil, o governo da Venezuela é o de Juan Guaidó, também reconhecido por outros 56 países, ele garantiu ainda que nenhuma crítica foi feita diretamente ao povo venezuelano, ou contra o país vizinho.

“De forma nenhuma! Ofensa à Venezuela seria a gente ignorar o sofrimento do povo venezuelano. Nós temos total solidariedade pelo povo venezuelano. É uma nação amiga, é uma nação irmã, com uma tradição democrática imensa; terra de Bolívar, como se sabe. “”É importante que a gente não use a palavra Venezuela para se referir a esse bando de facínoras que ocupa o poder ainda na Venezuela, pelos quais a gente só tem desprezo – e justamente, me parece. É importante esclarecer isso”, afirmou, em referência à Nicolás Maduro.

Metáfora

O chanceler brasileiro usou uma metáfora feita à época pelo senador Esperidião Amim (SC) para explicar as críticas feitas por ele e pelo secretário de estado americano na visita ao Brasil. Araújo negou que tenha recebido Mike Pompeu “em sua casa”, para falar mal do vizinho [ Venezuela].

Leia Também:   Câmara aprova alterações no Código de Trânsito; texto vai à sanção

“Vamos supor, então, que nós, aqui no Brasil, estamos em uma rua e temos um vizinho que é muito amigo nosso. De repente, esse vizinho tem a casa dele invadida por um narcotraficante que praticamente escraviza o vizinho, prende no porão o vizinho e toda a sua família e ocupa essa casa do vizinho. Vamos supor que um dos filhos do vizinho consegue escapar, vem para o nosso terreno, nós o acolhemos e, então, recebemos um amigo de uma outra rua, que também é amigo do nosso vizinho, e vamos falar dessa situação. Então, o fato de nós falarmos dessa situação não é uma agressão ao nosso vizinho, é uma preocupação com o fato de que a casa do nosso vizinho foi tomada por um narcotraficante”, disse.

Na avaliação de Araújo, as críticas “ao narcotraficante que tomou essa casa” não significa agressão ao vizinho. “É o contrário: é o nosso dever de vizinhança e de solidariedade”, disse.

Edição: Maria Claudia

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA