POLÍTICA NACIONAL

Câmara se ilumina de verde e amarelo pelo Bicentenário da Independência do Brasil

Publicados

em

Najara Araújo/Câmara dos Deputados
Prédio do Congresso iluminado de amarelo. Ao fundo a noite escura
Prédio da Câmara costuma receber iluminação colorida em datas especiais

A Câmara dos Deputados recebe iluminação especial nas cores verde e amarela, de hoje (28) até a quinta-feira (30), em comemoração ao bicentenário da Independência do Brasil, que se completa no dia 7 de setembro.

A iluminação especial foi proposta pelo deputado Lafayette de Andrada (Republicanos-MG).

Nesta terça, também começa o seminário “O Movimento da Independência: Ontem e Hoje/200 Anos de Independência do Brasil”, com transmissão ao vivo pelo canal da Câmara no YouTube.

O seminário reúne alguns dos principais intelectuais, escritores e historiadores engajados no estudo e na divulgação da Independência do Brasil para refletir sobre o projeto de país que vem sendo construído desde 7 de setembro de 1822.

Exposições
Além da iluminação e do seminário, a Câmara realiza sessões solenes, concursos, eventos, publicações e duas exposições sobre o tema.

A primeira exposição – O movimento da Independência – foi montada no corredor Tereza de Benguela e está aberta à visitação das 9 às 17 horas. A mostra destaca marcos históricos que permitiram que, em 7 de setembro de 1822, D. Pedro declarasse o Brasil independente de Portugal.

Leia Também:  Janaina Paschoal e Zambelli trocam farpas: "Babaquinha"

A segunda mostra – “Poder, Parlamento e Governo no Brasil” – exibe livros e documentos do Centro de Documentação e Informação da Câmara e do Arquivo Nacional; medalhas do Museu da Câmara, entre outros itens relevantes do acervo da Câmara. Os itens ficarão expostos no Salão Verde, nas vitrines que geralmente guardam os presentes protocolares.

Ambas exposições podem ser visitadas até 9 de setembro.

Da Assessoria de Imprensa da Câmara dos Deputados
Edição – ND

Fonte: Câmara dos Deputados Federais

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Carta em defesa da democracia: Bolsonaro volta a criticar documento

Publicados

em

Bolsonaro durante live semanal
Reprodução

Bolsonaro durante live semanal

presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar nesta quinta-feira as cartas em defesas da democracia lidas na Faculdade de Direito da USP pela manhã. Com um exemplar da Constituição na mão, o chefe do Executivo afirmou em uma live que fazem uma “onda” para tentar atingi-lo e que a carta serve de “passaporte para dizer que é bom moço”.

O presidente, que tenta se reeleger ao Palácio do Planalto, fazia referência às assinaturas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de sua mulher na manifestação. Bolsonaro, no entanto, não citou diretamente o seu principal adversário nas eleições.

“Alguém discorda que essa daqui é a melhor carta à democracia? (mostra a Constituição). Alguém tem dúvida? Acha que um outro pedaço de papel qualquer substitui isso daqui?”, afirmou Bolsonaro.”

Na sequência, o presidente afirmou que o PT não assinou a “carta de 88”, referindo-se à Constituição, e que faziam uma “onda” sobre a carta à democracia para tentar atingi-lo. O Partido dos Trabalhadores, no entanto, foi um dos signatários da promulgação da Constituição, mas votou contra a redação final do texto.

Leia Também:  Fronteira terrestre poderá ser dividida em subfaixas para flexibilizar uso de áreas

“Então, vamos lá, já que o símbolo máximo do PT assinou a carta juntamente com a sua jovem esposa, eu pergunto: o PT assinou a carta de 88? O PT assinou a Constituição de 88? O pessoal faz uma onda agora sobre carta à democracia para tentar atingir a mim, mas a bancada toda do PT não assinou essa carta à democracia em 88 e agora quer assinar essa cartinha à democracia?”, afirmou.

Por fim, Bolsonaro afirmou que “fazer cartinha” era “servir de passaporte” para dizer que é “bom moço”.

“Então fazer cartinha, servir de passaporte para dizer que é bom moço não funciona, tem que dar exemplo aqui.”

As cartas foram lidas em manifestação na manhã desta quinta-feira na Faculdade de Direito da USP pelo ex-ministro da Justiça José Carlos Dias. O documento destaca o papel do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na condução das eleições no país e foi tida como uma manifestação de oposição ao presidente Jair Bolsonaro.

Leia Também:  Após críticas, Conselho Nacional de Educação admite ampliar debate sobre novo currículo de geografia

A manifestação acontece em meio aos ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao sistema eleitoral brasileiro. Ao todo, 107 entidades assinaram o documento, representando empresas dos mais diversos setores e variados segmentos da sociedade.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI