POLÍTICA NACIONAL

CPI da Covid cobra Polícia Federal sobre suspeitas de corrupção com Covaxin

Publicados

em


source
Omar Aziz (PSD-AM)
Pedro França/Agência Senado

Omar Aziz (PSD-AM)

A CPI da Covid entrou em contato com a Polícia Federal (PF) para saber se o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) repassou à PF o alerta de que havia suspeita de corrupção no contrato de aquisição da vacina indiana Covaxin . O comunicado foi feito em março por um servidor do Ministério da Saúde e revelado pelo GLOBO. O imunizante é produzido pela Bharat Biotech e representado no Brasil pela farmacêutica Precisa.

“A partir de agora, tem-se um novo caminho para investigar. A demora para adquirir algumas vacinas não ocorreu para todas. Há uma diferença de tratamento muito grande. Ele (servidor) diz que Pazuello foi demitido porque não aceitava corrupção . Ele está dando uma informação ao Brasil”, disse o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM).

Leia Também:  Partidos pedem que TSE exija explicações de Bolsonaro sobre fraude eleitoral

“Acabei de pedir para o delegado da PF que peça ao diretor-geral para saber se houve inquérito para investigar essa questão da Covaxin. Se o presidente foi avisado pelo servidor e tomou providências, ótimo. Se não tomou, é preocupante”, completou Aziz.

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Nunes Marques sobre voto impresso: ‘preocupação legítima do povo’

Publicados

em


source
Kassio Nunes, ministro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o STF
Nelson Jr./SCO/STF

Kassio Nunes, ministro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o STF

O ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira que o  debate sobre o voto impresso cabe ao Congresso Nacional e que ele, na condição de juiz, respeitará “a expressão da vontade popular”, “seja mantendo ou alterando a sistemática de votação e apuração de votos, nos termos da Constituição”.

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro ao Supremo, Nunes Marques foi o único integrante da Corte que não assinou a nota conjunta em defesa da urna eletrônica publicada por ex-presidentes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O ministro, contudo, diz que “não foi consultado previamente em nenhum momento a fim de que pudesse concordar, ou não, com o teor” da manifestação.

“O Ministro considera legítimo o posicionamento externado pelos demais Ministros que compõem ou compuseram o TSE, na medida em que, imbuídos de elevada preocupação para a construção da democracia em nosso país, têm buscado o aperfeiçoamento do sistema eleitoral”, disse.

Leia Também:  Grupo de trabalho debate caminhos regulatórios para enfrentar a desinformação

Você viu?

Nunes Marques afirmou ainda que “o debate acerca do voto impresso auditável se insere no contexto nacional como uma preocupação legítima do povo brasileiro e que Sua Excelência, na condição de Juiz, respeitará a expressão da vontade popular a ser externada pelo Congresso Nacional, foro adequado para tais debates, seja mantendo ou alterando a sistemática de votação e apuração de votos, nos termos da Constituição”.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA