POLÍTICA NACIONAL

Eleição: Tarcísio tenta atrair PSD para formar chapa em São Paulo

Publicados

em

source
Ex-ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas
Marcello Casal JrAgência Brasil – 24/11/2021

Ex-ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas

Em uma tentativa de afastar o PSD do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a equipe do pré-candidato ao governo de São Paulo  Tarcísio de Freitas (Republicanos) intensificou a ofensiva para conseguir a aliança com a legenda comandada por Gilberto Kassab. A iniciativa envolveu até um convite ao próprio Kassab para ser vice de Tarcísio, segundo interlocutores do PSD e do Republicanos que têm participado das negociações. A costura, contudo, é difícil de ser concretizada.

Procurado, Kassab confirmou que a campanha do ex-ministro bolsonarista ofereceu o cargo.

“É verdade. O Márcio França (PSB), o (Fernando) Haddad (PT) e o (Rodrigo) Garcia (PSDB) também (ofereceram). É natural os partidos procurarem, até porque a coligação existe. Só na proporcional que está proibido. Essas negociações, conversas, convites, são mais do que normais”.

O presidente do partido pontuou, no entanto, que “mantém a disposição” de ter candidato próprio ao Palácio dos Bandeirantes — no caso, o ex-prefeito de São José dos Campos Felicio Ramuth (PSD), que até renunciou ao cargo para concorrer. Por isso, Ramuth passou a ser um dos mais cotados a ser vice do Tarcísio, já que Kassab não teria interesse em ficar com o posto.

Leia Também:  Milton Ribeiro tem habeas corpus negado pela Justiça

A tentativa de acordo ocorreu em uma reunião entre Kassab, Ramuth e Tarcísio na semana passada.

A bancada paulista do PSD já vê como praticamente descartada a candidatura do ex-prefeito. Parte dela tem se aproximado cada vez mais de Tarcísio, como Guilherme Afif Domingos (PSD), ex-assessor do ministro Paulo Guedes, e o deputado Cezinha da Madureira (PSD), ex-presidente da bancada evangélica.

Liberado por Guedes, Afif deixou o governo federal para elaborar os principais pontos do programa de governo do pré-candidato do Republicanos.

“Estou cuidando de tudo no plano: economia, saúde e educação. Eu me desliguei do ministério para cumprir essa missão”, contou.

Sobre a aproximação com seu partido, ele frisou que não faz parte da articulação política, mas que a base da sigla tem uma “simpatia grande” pelo ex-ministro

Segundo parlamentares do PSD, o limite dado a Ramuth era conseguir pontuar pelo menos 5% nas pesquisas até julho, o que não deve acontecer. No Republicanos, o otimismo é grande.

“Todos que tiverem quadro competente para agregar ao projeto de São Paulo voltar a ser a locomotiva do Brasil serão bem-vindos”, diz o deputado federal Ricardo Izar (Republicanos-SP).

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Após áudios, governistas veem dificuldade para retirar apoio a CPI

Publicados

em

source
Após áudios, governistas veem dificuldade para retirar apoio a CPI
Agência Senado

Após áudios, governistas veem dificuldade para retirar apoio a CPI

Após a divulgação dos áudios do  ex-ministro Milton Ribeiro, nos quais ele cita o presidente Jair Bolsonaro (PL), a  base governista no Senado acredita, que com a avançar das investigações da Polícia Federal, será difícil evitar a CPI do MEC, articulada pela oposição na Casa. A lista para pedir a abertura da comissão parlamentar de inquérito já tem as assinaturas necessárias para ser apresentada ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Senadores aliados de Bolsonaro apostam agora na resistência da presidência da Casa em instalar o colegiado.

Nesta sexta-feira, em conversa telefônica grampeada pela Polícia Federal, Milton Ribeiro afirma que Bolsonaro o avisou que estava com um “pressentimento” de que poderia haver uma operação de busca e apreensão contra o ex-ministro. O diálogo foi interceptado no dia 9 deste mês. Nesta semana, Ribeiro foi alvo de uma ação da PF.

Em caráter reservado, governistas já admitem que uma articulação política não será suficiente para conseguir reverter os apoias à abertura do colegiado. Até o momento, a CPI do MEC já conta com 28 assinaturas, uma a mais do que necessário para ser aberta.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), responsável em recolher as assinaturas, espera conseguir mais três nomes antes de apresentar o requerimento para Pacheco. Segundo o líder da oposição no Senado, isso faz parte da estratégia para evitar que o pedido não possa ser protocolado caso algum signatário retire seu nome da lista, como aconteceu em abril.

Leia Também:  Projeto prevê reajuste de 13,5% em agosto para os servidores do TCU

Naquele mês, o governo conseguiu convencer três senadores a retirar seu nome da lista: Weverton Rocha (PDT-MA), Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) e Styvenson Valentim (Podemos-RN). Agora, líderes do governo acreditam que repetir a mesma estratégia será mais difícil.

O responsável na articulação para barrar a abertura da CPI é o líder do governo no Senado, Carlos Portinho (PL-R). Em abril, quando as primeiras denúncias de irregularidades no MEC vieram à tona e a oposição começou a colher a assinatura para o colegiado, Portinho apresentou um pedido para abrir uma comissão que investigue obras paradas do Ministério da Educação em governos passados.

Uma das estratégias do governo é retomar esse pedido de CPI, que também conta com 28 assinaturas. Os suplentes dos senadores Márcio Bittar (União Brasil-AC) e Carlos Fávaro (PSD-MG), Eduardo Velloso (União Brasil-AC) e Margareth Buzzetti (PP-MT), respectivamente, assinaram a lista da comissão governista, fazendo com que o rol voltasse a ter o número de nomes necessários.

A ideia é que, caso Pacheco decida abrir a CPI da oposição, ele também precisará dar prosseguimento à comissão dos governistas e a outras duas que já foram apresentadas no Senado — uma de autoria do senador Plínio Valério, para investigar a atuação de ONG, e outra de Eduardo Girão (Podemos-CE), sobre aumento da violência nos estados do Norte e Nordeste.

No entanto, o regimento da Casa não obriga que seu presidente siga a ordem de apresentação de pedidos de CPI para instalar os colegiados. Há uma estimativa, porém, que os governistas judicializem o caso se Pacheco resolver a comissão apoiada pela oposição antes de todas as outras.

Leia Também:  Veja as suspeitas da PF no caso de Milton Ribeiro e pastores no MEC

Outra estratégia é tentar dissuadir os senadores que assinaram a lista para a CPI do MEC alegando que faltam cerca de 100 dias para eleição e que o colegiado será usado como palanque eleitoral do PT. Um dos argumentos usados para isso é que Randolfe é um dos coordenadores da campanha do ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva.

O próprio presidente do Senado já afirmou que a proximidade com a eleição pode prejudicar o trabalho da comissão. Porém, na mesma ocasião que fez essa declaração, também afirmou que poderá instalar a CPI se ela cumprir os critérios necessários — isto é, número suficiente de assinaturas e fato determinados a ser investigado pelo colegiado.

Randolfe espera ter mais três apoios antes de protocolar o pedido de CPI à presidência do Senado: Marcelo Castro (MDB-PI), presidente da Comissão de Educação na Casa, Otto Alencar (PSD-BA) e Alexandre Silveira (PSD-MG). Este último é um aliado próximo de Pacheco, e seu apoio à comissão é considerado fundamental para que ela seja aberta.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI