POLÍTICA NACIONAL

Especialistas cobram mais homens e equipamentos contra fogo no Pantanal

Publicados

em


O poder público precisa enviar mais homens e equipamentos para o combate às queimadas no Pantanal. A avaliação é de especialistas que participaram nesta sexta-feira (2) de uma audiência pública virtual promovida pela comissão temporária externa do Senado que acompanha as ações de enfrentamento aos incêndios no bioma. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), são quase 18 mil focos de chamas em 2020 — um aumento de 200% em relação ao ano passado.

O combate às queimadas é realizada por 500 brigadistas, com o apoio de 500 militares do Exército, da Marinha e da Força Aérea. De acordo com o subchefe de Operações do Estado-Maior das Forças Armadas, general José Eduardo Leal de Oliveira, mais de 14 aeronaves foram empregadas no enfrentamento ao fogo desde julho.

— São basicamente helicópteros e um avião Hércules com um sistema que permite o lançamento de água, principalmente em pontos de mais difícil acesso. O êxito dessas ações permitiu reduções superiores a 80% no que se refere a focos de queimada e incêndio. Mas vivemos uma seca histórica na região do Pantanal, o que em muito dificulta o completo controle da situação — afirma.

Para o representante do Inpe, Alberto Setzer, a estrutura oferecida pelo poder público não é suficiente. O engenheiro ambiental explica que a situação no Pantanal é “quase impossível de ser administrada” com o cenário de estiagem, temperatura alta, umidade baixa e ventos fortes.

— De um lado, temos essas frentes avançando de maneira descontrolada, cobrindo dezenas de quilômetros quadrados. De outro lado, temos apenas algumas centenas de brigadistas. Mesmo combinando as Forças Armadas com os brigadistas e voluntários, temos cerca de mil pessoas. Esse número obviamente está subdimensionado. Precisaríamos de 10 vezes mais. Muito possivelmente, 100 vezes mais pessoas lutando para conseguir enfrentar uma situação descontrolada como essa, que já perdura por meses — afirmou.

A presidente da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema), Mauren Lazzaretti, destaca a dificuldade para a aquisição de insumos usados no combate às chamas. Ela explica que o fato de o Pantanal ser o bioma mais preservado no Brasil dificulta o acesso a áreas remotas, o que exige uma “situação de guerra” para o enfrentamento ao fogo.

Leia Também:  Fux diz que tema da vacina da Covid-19 deve chegar ao STF

— As chamas no pantanal têm alcançado mais de 25 metros de altura, o que inclusive impossibilita os homens de fazerem esse combate. Isso mostra que uma outra estratégia precisa ser adotada: o combate aéreo e a utilização de outros produtos que busquem retardar (os incêndios) ou melhorar a eficiência do combate aéreo. Além do intenso calor e da seca, temos dificuldade de adquirir os insumos para fazer esse combate — afirmou. 

Responsabilidades

A audiência pública interativa contou com a participação de internautas, que enviaram perguntas aos debatedores. Um dos questionamentos frequentes foi sobre a responsabilização dos causadores das queimadas.

De acordo com o Centro Integrado Multiagências de Coordenação Operacional de Mato Grosso, o fogo no estado é causado pela ação humana — como a queima de áreas para o pasto, o uso de fogo para a retirada de mel em colmeias e a incineração de equipamentos agrícolas. Em Mato Grosso do Sul, cinco fazendeiros são investigados pela Polícia Federal por queimadas supostamente intencionais.

O diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Valdir Colatto, informou que o Pantanal conta com 7,7 mil propriedades privadas registradas no Cadastro Ambiental Rural (CAR). Apesar da ocupação humana, o bioma ainda preserva 479 nascentes e 8,4 milhões de hectares de vegetação nativa, o equivalente a 55% da área total. Colatto relativizou a eventual participação de fazendeiros nas queimadas.

— Precisamos observar o nexo causal. Quem causou o incêndio? Às vezes, estão se cometendo injustiças. As pessoas colocando o proprietário como o responsável pelo incêndio, quando o incêndio normalmente surge nas vias públicas e nas estradas, no descuido das pessoas que transitam por lá — disse.

A presidente da Abema, Mauren Lazzaretti, destacou que os órgãos ambientais de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul estão focados no levantamento de dados, na identificação e na responsabilização dos causadores de incêndios. Ela disse, no entanto, que o proprietário rural não deve ser sempre apontado como “vilão”.

Leia Também:  Executivo gastou 77,7% do orçamento previsto para combate a pandemia

— Avançamos muito na construção de alternativas. Muitos produtores possuem hoje pequenas estruturas de combate a incêndios dentro de seus imóveis rurais. Essa é uma estratégia que pode se mostrar eficiente para, em vez de transformar o produtor em infrator e vilão, incorporá-lo como agente que pode auxiliar nesse evento, que é comum para países tropicais — sugeriu. 

Estatuto 

O presidente da comissão externa, senador Welington Fagundes (PL-MT), defendeu uma série de ações para tentar prevenir novas catástrofes. Entre as medidas, ele sugere harmonização da legislação ambiental nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, linhas de crédito para a retomada do turismo e da pecuária na região e investimentos em saneamento básico.

— Não podemos descansar. A seca vai continuar intensamente, e isso exige que façamos um planejamento para evitar as ocorrências tristes e catastróficas como as que vêm acontecendo. A estiagem deste ano ultrapassou todas as condições normais do Pantanal e superou a capacidade das instituições públicas e até dos pantaneiros, acostumados a lidar com os ciclos da seca e da cheia — disse.

Fagundes está em Corumbá (MS), onde participa neste sábado (3) de uma diligência promovida pela comissão externa. Os parlamentares devem fazer um sobrevoo de helicóptero às áreas atingidas e, em seguida, promover uma reunião de trabalho no Centro de Convenções do Pantanal. O relator da comissão, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), deve sugerir um projeto de lei com normas gerais de proteção ao bioma, o chamado Estatuto do Pantanal.

A comissão externa tem duração prevista de 90 dias. Também compõem o colegiado os senadores Carlos Fávaro (PSD-MT), Esperidião Amin (PP-SC), Jayme Campos (DEM-MT), Fabiano Contarato (Rede-ES), Simone Tebet (MDB-MS) e Soraya Thronicke (PSL-MS).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

“Quer que eu baixe na canetada?”, diz Bolsonaro sobre diminuir preço do arroz

Publicados

em


source
Presidente Jair Bolsonaro
Agência Brasil

Presidente Jair Bolsonaro manifestou irritação sobre possibilidade de tabelar preço

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ficou irritado com um apoiador que pediu a ele que diminuísse o preço do arroz durante uma agenda em Cruzeiro, no Distrito Federal, neste domingo (25).

“Bolsonaro, baixa o preço do arroz, por favor. Não aguento mais”, disse o homem que abordou o presidente enquanto ele se prepararava para subir em sua moto.

“Tu quer que eu baixe na canetada? Você quer que eu tabele? Se você quer que eu tabele, eu tabelo. Mas você vai comprar lá na Venezuela”, respondeu Bolsonaro.

O homem saiu sem dizer nada. “Fala, e vai embora”, comentou o presidente diante dos demais apoiadores, seguranças e jornalistas que estavam no local.

Leia Também:  Senado vota regime de permissão em transportes em 3 de novembro

Durante a manhã de hoje, o presidente passeou de moto pelo DF com os ministros da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, e da Casa Civil, general Walter Braga Neto.

No interior do mercado, Bolsonaro foi ovacionado por apoiadores e ouviu palavras em sua defesa. Na saída do local, porém, foi recepcionado com gritos de “fora Bolsonaro”.

Pressionada pela alta de preços dos alimentos e das passagens aéreas, a prévia da inflação oficial brasileira registrou em outubro sua maior alta desde 1995. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15) acelerou para 0,94% no mês, após alta de 0,45% em setembro.

No ano, a inflação acumulada é de 2,31%. No acumulado de 12 meses até outubro, o índice também acelerou para alta de 3,52%, vindo de 2,65% em setembro.

O grupo de alimentação e bebidas subiu 2,24% na prévia da inflação de outubro, alta puxada pelos alimentos consumidos em domicílio (2,95%). Entre os alimentos, os principais destaques foram óleo de soja (22,34%), arroz (18,48%), tomate (14,25%), leite longa vida (4,26%) e carnes (4,83%).

Leia Também:  Projeto tipifica como crime de responsabilidade divulgação de fake news por político

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA