POLÍTICA NACIONAL

Faculdade onde Boulos é professor diz que ele não dá aula desde novembro de 2019

Publicados

em


source
Guilherme Boulos%2C candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL
Reprodução/Facebook

Guilherme Boulos, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL

A Escola de Sociologia e Política, onde o candidato à Prefeitura de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL) afirma ser professor, diz que ele não tem mais vínculo com a instituição e que última vez que ele deu aulas foi em novembro de 2019. Em um vídeo em seu site oficial, o coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) diz que “atualmente” dá cursos na faculdade.

Segundo a instituição, no entanto, Boulos foi professor foi quem ministrou as aulas só dois cursos de curta duração no ano passado. O socialista afirma que parou dar aulas por conta da pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). “Não fosse a pandemia, Boulos seguiria ministrando cursos, como fez em 2019”, disse a assessoria de imprensa do candidato.

Leia Também:  Agente de saúde, ex-jovem senador é vacinado contra covid-19 em Cuitegi (PB)

“Todos os cursos são remunerados por meio da MEI [microempreendedor individual] de Boulos”, escreveu a campanha do candidato por meio de nota. Ele  chegou a sofrer ataques de Celso Russomanno, que disputa as eleições pelo Republicanos, e de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Já a escola, porém, disse que a nova edição das aulas não se realizou em 2020 em razão da candidatura do líder sem-teto ao Executivo da capital paulista.

O comentário de Boulos no qual ele afirma que aulas na universidade foi feita num vídeo em que ele explica a origem de sua renda. A gravação foi feita, de acordo com o candidato, para rebater notícias falsas que circulam na internet afirmando que ele não trabalha.

Uma reportagem recente da Folha de S. Paulo mostrou que o candidato não havia declarado à Justiça Eleitoral uma quantia de R$ 579,93 em uma conta corrente. Em uma das retificações que Boulos fez, o valor foi incluído.

No vídeo publicado em seu site, Boulos ainda diz que deu aula por seis anos na Escola de Educação Permanente da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).

Leia Também:  Justiça manda suspender entrega de 132 mil doses de vacina ao Amazonas; entenda

O diretor da unidade, Décio Mion, confirmou que Boulos participou de cursos sobre liderança entre os anos de 2011 e 2017. A atividade, segundo Mion, era organizada pelo infectologista Marcos Boulos, pai do atual candidato do PSOL.

A Faculdade de Mauá, também citada por Boulos como um dos locais em que lecionou, não respondeu ao questionamento da reportagem.

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Leite condensado é “energético” e chiclete, para higiene bucal, diz governo

Publicados

em


source
Soldados do Exército Brasileiro
Marcos Corrêa/PR

Soldados do Exército Brasileiro

O Ministério da Defesa divulgou nota nesta quarta-feira (27) para justificar a compra de alimentos por parte do governo federal em 2020 e disse que o leite condensado serve como “potencial energético” para militares, enquanto os chicletes para higiene bucal.

A compra de quantidade desses dois produtos teve repercussão negativa após a pasta efetuar a compra para os 370 mil homens e mulheres que se alimentam em 1,6 mil instalações militares em todo o País.

De acordo com o comunicado da pasta chefiada pelo general Fernando Azevedo e Silva, o contingente militar é “predominantemente jovem, o que pode aumentar as quantidades consumidas”.

“O leite condensado é um dos itens que compõem a alimentação por seu potencial energético. Eventualmente, pode ser usado em substituição ao leite. Ressalta-se que a conservação do produto é superior à do leite fresco, que demanda armazenamento e transporte protegido de altas temperaturas”, diz a nota.

Em 2020, o governo federal gastou cerca de R$ 15,6 milhões com leite condensado. Os dados estão no painel de compras do governo, ligado ao Ministério da Economia, e foram apresentados em reportagem publicada pelo portal  Metrópoles .

Você viu?

O Ministério da Defesa é o órgão que mais comprou leite condensado no ano. A nota da também justificou o gasto de R$ 2,2 milhões com chicletes pelo governo federal.

Leia Também:  Justiça manda suspender entrega de 132 mil doses de vacina ao Amazonas; entenda

De acordo com o ministério, “o produto ajuda na higiene bucal das tropas, quando na impossibilidade de escovação apropriada, como também é utilizado para aliviar as variações de pressão durante a atividade aérea”.

O comunicado acrescenta que os valores são todos compatíveis com as missões e tarefas desempenhadas. Além disso, ressaltou que considera um gasto de R$ 9 reais por dia, por militar. O valor não é reajustado desde 2017.

“As Forças Armadas têm a responsabilidade de promover a saúde da tropa por meio de uma alimentação nutricionalmente balanceada, em quantidade e qualidade adequadas, composta por diferentes itens”, segue o texto da nota.

Nesta quarta-feira, Bolsonaro atacou a imprensa por revelar os gastos do seu governo . “Quando vejo a imprensa me atacar dizendo que comprei 2 milhões e meio de latas de leite condensado, vai pra p* que o pariu, imprensa de m*! É pra enfiar no r* de vocês da imprensa essas latas de leite condensado”, disse.

Leia Também:  Marco legal do saneamento básico foi destaque entre aprovações de 2020

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA