POLÍTICA NACIONAL

Faculdade onde Boulos é professor diz que ele não dá aula desde novembro de 2019

Publicados

em


source
Guilherme Boulos%2C candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL
Reprodução/Facebook

Guilherme Boulos, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSOL

A Escola de Sociologia e Política, onde o candidato à Prefeitura de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL) afirma ser professor, diz que ele não tem mais vínculo com a instituição e que última vez que ele deu aulas foi em novembro de 2019. Em um vídeo em seu site oficial, o coordenador do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) diz que “atualmente” dá cursos na faculdade.

Segundo a instituição, no entanto, Boulos foi professor foi quem ministrou as aulas só dois cursos de curta duração no ano passado. O socialista afirma que parou dar aulas por conta da pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). “Não fosse a pandemia, Boulos seguiria ministrando cursos, como fez em 2019”, disse a assessoria de imprensa do candidato.

Leia Também:  Projeto adia tributos de escola que relevar multas e juros na pandemia

“Todos os cursos são remunerados por meio da MEI [microempreendedor individual] de Boulos”, escreveu a campanha do candidato por meio de nota. Ele  chegou a sofrer ataques de Celso Russomanno, que disputa as eleições pelo Republicanos, e de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Já a escola, porém, disse que a nova edição das aulas não se realizou em 2020 em razão da candidatura do líder sem-teto ao Executivo da capital paulista.

O comentário de Boulos no qual ele afirma que aulas na universidade foi feita num vídeo em que ele explica a origem de sua renda. A gravação foi feita, de acordo com o candidato, para rebater notícias falsas que circulam na internet afirmando que ele não trabalha.

Uma reportagem recente da Folha de S. Paulo mostrou que o candidato não havia declarado à Justiça Eleitoral uma quantia de R$ 579,93 em uma conta corrente. Em uma das retificações que Boulos fez, o valor foi incluído.

No vídeo publicado em seu site, Boulos ainda diz que deu aula por seis anos na Escola de Educação Permanente da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).

Leia Também:  Deputados analisam em Plenário projeto que prevê retorno das aulas presenciais

O diretor da unidade, Décio Mion, confirmou que Boulos participou de cursos sobre liderança entre os anos de 2011 e 2017. A atividade, segundo Mion, era organizada pelo infectologista Marcos Boulos, pai do atual candidato do PSOL.

A Faculdade de Mauá, também citada por Boulos como um dos locais em que lecionou, não respondeu ao questionamento da reportagem.

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Comissão da Covid-19 vai debater impactos da pandemia na educação

Publicados

em


A comissão temporária do Senado que acompanha as ações de enfrentamento à covid-19 (CTCOVID19) vai debater nos próximos dias os impactos da pandemia na educação brasileira e os principais desafios a serem superados. Requerimento com esse objetivo (REQ 57/2021) foi apresentado pelo presidente da comissão, senador Confúcio Moura (MDB-RO), e aprovado na reunião desta quinta-feira (22).

Para participar da audiência pública, ainda sem data definida, serão convidados o ministro da Educação, Milton Ribeiro; o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Luiz Miguel Martins Garcia; o presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Vitor de Ângelo; a presidente-executiva do movimento Todos pela Educação, Priscila Cruz, e a presidente do Instituto Airton Senna, Viviane Senna.

Para Confúcio, é preciso traçar estratégias que dialoguem com a nova realidade da educação brasileira. 

“A maioria das escolas não contava com o suporte necessário para o oferecimento do ensino remoto ou a distância. E do dia para a noite, as escolas precisaram encontrar maneiras de se adaptar a essas ‘novas tecnologias’. Além disso, são poucos os professores que tiveram a formação adequada para lecionar a distância”, diz Confúcio na justificativa do requerimento. 

Leia Também:  Aprovada urgência para projeto que cria cartão on-line de vacinação

Vacinas e fake news

Os senadores aprovaram outros oito requerimentos. Três deles, também de autoria do presidente da comissão, sugerem a realização de audiências públicas. Uma delas propõe discutir estratégias para o controle de fake news e desinformação sobre a vacinação contra a covid-19 e monitoramento de publicidade (REQ 58/2021). Outro debate será com a participação de governadores, que falarão sobre as dificuldades ainda persistentes no enfrentamento da pandemia (REQ 60/2021).

Já o REQ 59/2021 sugere a realização de audiência sobre a aquisição de vacinas para o Brasil via consórcio internacional Covax Facility. Confúcio sugeriu como participantes o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), doutor Tedros Adhanom; o secretário-geral da ONU, António Guterres; e a representante da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e OMS no Brasil, doutora Socorro Gross.

Questionamentos a ministérios

Durante a reunião desta quinta, os senadores aprovaram quatro requerimentos com pedidos de esclarecimentos a ministérios, institutos e laboratórios responsáveis pela produção de imunizantes contra a covid-19. Um deles (REQ 52/2021), da senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), pede ao ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França, informações sobre a visita da delegação brasileira a Israel, em março deste ano, chefiada pelo então ministro Ernesto Araújo.  

Leia Também:  Projeto adia tributos de escola que relevar multas e juros na pandemia

“É preciso esclarecer se a missão foi frutífera e se efetivamente logrou êxito em firmar parcerias com institutos de pesquisa para cooperação bilateral em estudos de imunologia e pesquisa sobre medicamentos e vacinas para a prevenção, controle e tratamento da covid-19”, ressalta a senadora.

Também pediram esclarecimentos os senadores Styvenson Valentim (Podemos-RN) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Eles querem informações do Ministério da Saúde sobre o suprimento de oxigênio medicinal aos serviços de saúde durante a pandemia de covid-19. A indicação de quais municípios se encontram em situação crítica em relação ao abastecimento de oxigênio medicinal e as estimativas de consumo, reservas e provimento de oxigênio medicinal para os próximos dois meses estão entre os questionamentos feitos pelos senadores.

Confira aqui todos os requerimentos já aprovados ou em análise pela comissão.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA