POLÍTICA NACIONAL

Governo vai manter o Bolsa Família, diz Bolsonaro

Publicados

em


.

O presidente Jair Bolsonaro declarou hoje (15) que o governo não vai suspender reajustes das aposentadorias e do Benefício de Prestação Continuada (BPC) – auxílio pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda. O presidente descartou também a criação do programa Renda Brasil até 2022 – iniciativa que estava em estudo para expandir o alcance e suceder o Bolsa Família, que é pago a famílias que estão em situação de pobreza extrema e miséria.

Em vídeo publicado nas redes sociais, Bolsonaro citou notícias que dizem que a intenção do governo é congelar as aposentadorias para garantir recursos para o Renda Brasil. “Eu já disse que jamais vou tirar dinheiro dos pobres para dar para os paupérrimos. Quem por ventura vier a propor para mim uma medida como essa, eu só posso dar um cartão vermelho para essa pessoa. É gente que não tem um mínimo de coração, não tem o mínimo de entendimento como vivem os aposentados do Brasil”, disse.

De acordo com o Bolsonaro, “pode ser que alguém da equipe econômica tenha falado sobre este assunto”, mas que seu governo “jamais” vai congelar salários de aposentados ou reduzir o BPC “para qualquer coisa que seja”. “Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil, vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, destacou.

Leia Também:  Senadores comentam retorno às votações presenciais na Casa

Em junho, o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou a intenção do governo em criar o Renda Brasil após a pandemia do novo coronavírus, com a unificação de vários programas sociais. Desde então, a equipe econômica e o Palácio do Planalto têm discutido a fonte de recursos para financiar o novo programa social.

Na semana passada, Bolsonaro descartou o fim do seguro-defeso como forma de garantir o programa de renda permanente. Em agosto, ele também já havia anunciado que a criação do Renda Brasil estava suspensa porque não aceitaria eliminar, em troca, o abono salarial, espécie de 14º salário pago aos trabalhadores com carteira assinada que recebem até dois salários mínimos.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

“São Paulo é a cidade da burocracia e não da oportunidade”, diz Felipe Sabará

Publicados

em


source


sabará
Divulgação

Filipe Sabará, candidato à Prefeitura de São Paulo pelo Novo


O empresário, ex-secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social de São Paulo, na gestão João Dória, e candidato à prefeitura de São Paulo,  Felipe Sabará (NOVO) declarou em entrevista ao vivo ao portal iG com os elegíveis municipais de 2020 nesta terça-feira (22) que “São Paulo se tornou a cidade da burocracia e não é mais a cidade da oportunidade no Brasil, como já fomos”.

Sabará enfatizou que no período pós-pandemia do novo coronavírus (Sars-cov-2) a gestão municipal deve se dedicar a promover a geração de empregos e o aumento da renda. “São Paulo tem uma oportunidade única de fomentar a renda nas perfiferias, por conta dos muitos microempreendedores”, disse.

Alinhamento com Bolsonaro e Direita

Para isso, Sabará defende a implementação de uma agenda liberal  ampla que visa a desburocratização e privatização dos serviços púbicos municipais. Questionado sobre o alinhamento polítio com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o candidato afirmou que fica restrito ao plano econômico. A companheira de chapa do político do NOVO é a economista Marina Helena, ex-secretária de Desestatização do Ministério da Economia, na gestão Guedes.

“O alinhamento que a gente tem com a economia e com as políticas liberais do Guedes tem a ver com o enxugamento da máquina. Coisas que não estão acontecendo por causa do mal gasto da prefeitura. Na pauta econômica temos alinhamento com o Paulo Guedes. Mas temos alinhamento político com a população”, disse.

“O relacionamento tem que ser bom tanto no governo do estado quanto no governo federal para conseguir fazer algo em uma cidade tão grande”, complementa.

Leia Também:  Senadores comentam retorno às votações presenciais na Casa

Sabará nega o rótulo de centro-direta e afirma ser um candidato da ” direita raiz ” que, segundo ele, “é ter o foco no cidadão e não na burocracia estatal. Direita raiz é a raiz da liberdade. Cansamos de ver a burocrácia sufocar o cidadão. Por isso o Novo existe. Direita raiz é fazer as coisas funcionar e romover melhora da renda”.

Caso eleito, Sabará pretende colocar em prática propostas como a reforma administrativa do funcionalismo público municipal, que deve ser votada pela Câmara, mas promete tomar medidas mais radicais na agenda de direita utilizando sua prerrogativa de prefeito, sem passar pelos vereadores, como:

Aglutinar as 28 secretarias existentes em 8 supersecretarias e pautar na Câmara a extinção de algumas pastas;

– Acabar com a nomeação de subprefeitos e criar processos seletivos para a escolha dos gestores da Subprefeituras (algumas pessoas envolvidas na campanha de Sabará já estão inscritas no processo caso ele assuma a prefeitura);

– Privatização de todas as autarquias e estatais, com destaque para a PRODAM (Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Munícipio de São Paulo) para que o trabalho remoto seja universalizado na cidade;

“Aqui em São Paulo temos uma oportunidade enorme de fazer as reformas e melhorar a vida do cidadão que não aguenta mais uma prefeitura que sufoca o povo”, argumenta.

“Aqui em São Paulo precisamos fazer uma reforma urgente, isso é ponto pacificado, a não ser na esquerda, que não entende a necessidade e por seus interesses de um estado grande e paternalista. Quem trabalha não é valorizado e que não trabalha é valorizado igual. É necessário fazer uma avaliação realista para que os bons servidores, que são a maioria, sejam valorizados”, argumenta

Leia Também:  CCJ aprova três indicações para o Superior Tribunal Militar; nomes vão ao Plenário

Pandemia, educação e volta às aulas

Sabará avalia que a gestão Covas errou ao priorizar a reabertura do comércio em vez da reabertura das escolas e defende que as aulas retornem imediatamente atendendo os protolos de saúde e segurança necessários.

“Na minha opinião a Prefeitura errou. Por isso, eu acredito que a maior parte da população quer trocar o prefeito e as últimas pequisas mostraram isso. Estamos pagando esse serviço público de educação essencial, que deve estar funcionando com todos os protocolos. Os pais precisam ter o direito de escolher se mandam os filhos para a esocla e o municipio precisa deixar essas escolas abertas”, diz.

O candidato também criticou o governo Bruno Covos por, na visão dele, utilizar recursos públicos em ” zeladoria atrasada para maquiar a cidade “. Segundo Sabará, a melhor estratégia para o município seria a de concentrar os recursos na educação e na saúde neste período de pandemia, ao invés de realizar gastos em obras que não foram feitas em quatro anos.

Ainda sobre a volta às aulas, o candidato apontou, com base em dados do IDEB, que a cidade de São Paulo vive um déficit de português e matemática na educação básica e apresentou a sua proposta de realizar avaliações continuas a cada 3 meses para mudar os métodos de ensino caso não estejam satisfatórios. 

Além disso, Sabará defende a abertura das escolas ao finais de semana para ampliar o ambiente e aprendizagem, bem como transferir os Centros da Criança e do Adolescente (CCA) para a pasta da Educação para que as crianças tenham atividades de reforço no contra turno escolar.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA