POLÍTICA NACIONAL

Maia afirma que Câmara pode contribuir para mudar imagem ambiental do Brasil

Publicados

em


.
Reprodução
Para Maia, é importante manter a preservação das florestas e da biodiversidade para atrair investimentos

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a Casa pode ajudar na recuperação da imagem do Brasil em relação ao meio ambiente. Maia reconheceu que nos últimos meses a imagem do País na área ambiental tem sido negativa no exterior, o que tem dificultado o investimento externo. Ele disse que tem buscado construir pautas de consenso entre a bancada ambientalista e do agronegócio para aprovar projetos que garantam a preservação do meio ambiente e deem uma sinalização positiva para a sociedade e para os investidores.

Para o presidente, é importante manter a preservação das florestas e da biodiversidade para atrair investimentos e garantir o crescimento econômico sustentável do País. Maia participou do fórum online “Retomada Verde”, promovido pelo jornal “O Estado de S.Paulo”, nesta quinta-feira.

“Queremos transformar o debate na Câmara o mais amplo possível e trabalhar em conjunto, trabalhar em projetos: olhar a neutralidade dos gases de efeito estufa, um marco legal do mercado de carbono, uma punição maior para os que desmatam as florestas, um fundo de financiamento para poder preservar as florestas”, disse o presidente. “Essa agenda é uma agenda de todos os brasileiros”, afirmou.

Leia Também:  Senadores repudiam fala de Pompeo e esperam explicações de Araújo na quinta

Maia já havia dito que as duas âncoras para garantir um crescimento econômico do País de forma sustentável era o equilíbrio fiscal e o respeito ao meio ambiente. Segundo ele, já percebe-se que o próprio governo tem sido pressionado pela política ambiental praticada nos últimos meses. Maia afirmou ainda que os investidores estão saindo do País por essa razão.

“O pragmatismo já se impõe e vai se impor mais ainda. O Brasil precisa recuperar sua imagem e precisa de ações práticas para dar essa sinalização (positiva) como a recuperação das agências de controle e do seu financiamento para poder atuar e, também, os governadores precisam voltar a trabalhar com essas agências, para que a sociedade tenha clareza que essa e uma posição clara de mudança em relação ao que aconteceu no último ano”, argumentou Maia.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Wilson Silveira

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

CRE aprova indicações para embaixadas do Brasil no Chile, Guiné e Timor-Leste

Publicados

em


.

A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) realizou na noite desta segunda-feira (21) a terceira reunião semipresencial do dia para análise de indicações de diplomatas a embaixadas brasileiras. Foram aprovadas as indicações de Paulo Roberto Soares Pacheco, para chefiar a embaixada do Brasil no Chile; Antônio Carlos de Salles Menezes, para a embaixada na República da Guiné; e Mauricio Medeiros de Assis, para trabalhar na embaixada do Brasil no Timor-Leste.

Todos obtiveram 16 votos favoráveis e nenhum contrário. Os nomes seguem para análise do Plenário.

Chile

O diplomata Paulo Roberto Soares Pacheco foi indicado para o posto de embaixador do Brasil no Chile. O relatório foi apresentado pelo senador Antonio Anastasia (PSD-MG).

Pacheco iniciou sua carreira diplomática em 1988 e era chefe da assessoria especial de relações internacionais do Ministério de Minas e Energia. Já assumiu postos diplomáticos nos Estados Unidos, Colômbia, Inglaterra e Argentina.

Durante a sabatina, ele salientou que o fluxo comercial entre Brasil e Chile tem grande volume — o Brasil foi o principal parceiro comercial do Chile na América Latina em 2019 —, mas existe potencial para um crescimento ainda maior com a vigência dos tratados comerciais envolvendo os dois países. O diplomata destacou o interesse do governo chileno na cooperação com o Brasil no desenvolvimento de uma vacina anti-covid-19. Também sublinhou que a presença do Chile como membro da OCDE poderá ensinar lições ao Brasil sobre o processo de ascensão ao grupo.

Em resposta ao senador Fernando Collor (Pros-AL) sobre o plebiscito constitucional marcado para 25 de outubro no Chile, Pacheco associou a consulta ao eleitorado à convulsão social verificada no fim de 2019 e admitiu os efeitos de uma nova Constituição sobre a experiência de três décadas sobre a organização da previdência chilena.

— Há vontade do povo chileno em elaborar uma nova Constituição. Isso provavelmente resultará em mudanças no sistema previdenciário — explicou, referindo-se à exigência popular, expressa em manifestações no ano passado, de restauração de um sistema público de previdência social.

Guiné

Indicado para a República da Guiné, Antônio Carlos de Salles Menezes ingressou na diplomacia em 1987. Atualmente, é embaixador no Togo, posto exercido desde 2015. A indicação foi relatada pelo senador Mecias de Jesus (Republicanos-RR).

Consultado pelos senadores, o diplomata disse que espera estimular as relações comerciais e culturais entre os dois países, baseada no diálogo sul-sul e na ligação histórica entre Brasil e África. Em sua avaliação, além das grandes riquezas naturais, a Guiné oferece um ambiente de negócios atrativo, uma situação de estabilidade política mantida há uma década, e um crescimento sistemático do produto interno bruto (PIB) nos últimos anos.

— Há uma previsão de mais de 2% para este ano, apesar da covid-19, que, no cômputo geral, pode-se dizer que poupou os guineanos — declarou.

Timor-Leste

Atual diretor do Departamento de Tecnologia e Gestão da Informação do Ministério das Relações Exteriores, Mauricio Medeiros de Assis foi indicado para o cargo de embaixador do Brasil no Timor-Leste. Dentre os postos que exerceu no exterior, destacam-se Espanha, Vietnã e China. A indicação foi relatada pelo senador Marcos do Val (Podemos-ES).

Durante a sabatina, o diplomata reconheceu a admiração e o respeito mútuo entre o Brasil e Timor-Leste, ambos membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Ele registrou a forte influência dos parlamentares brasileiros no apoio ao referendo de 1999 pelo qual Timor-Leste conquistou sua independência da Indonésia, e mencionou que a construção do novo país tem contado com cooperação técnica do Brasil em vários aspectos.

— Já desenvolvemos 83 projetos bilaterais de cooperação técnica no Timor e mais de uma dúzia de projetos na área de educação e de defesa — disse Mauricio Medeiros de Assis, que espera novas iniciativas do gênero.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Leia Também:  Câmara aprova MP que prorroga contratos de trabalho de hospitais federais no RJ

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA