POLÍTICA NACIONAL

Nunes Marques sobre voto impresso: ‘preocupação legítima do povo’

Publicados

em


source
Kassio Nunes, ministro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o STF
Nelson Jr./SCO/STF

Kassio Nunes, ministro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o STF

O ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta segunda-feira que o  debate sobre o voto impresso cabe ao Congresso Nacional e que ele, na condição de juiz, respeitará “a expressão da vontade popular”, “seja mantendo ou alterando a sistemática de votação e apuração de votos, nos termos da Constituição”.

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro ao Supremo, Nunes Marques foi o único integrante da Corte que não assinou a nota conjunta em defesa da urna eletrônica publicada por ex-presidentes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O ministro, contudo, diz que “não foi consultado previamente em nenhum momento a fim de que pudesse concordar, ou não, com o teor” da manifestação.

“O Ministro considera legítimo o posicionamento externado pelos demais Ministros que compõem ou compuseram o TSE, na medida em que, imbuídos de elevada preocupação para a construção da democracia em nosso país, têm buscado o aperfeiçoamento do sistema eleitoral”, disse.

Leia Também:  Comissões fazem audiência conjunta para debater os impactos da endometriose

Você viu?

Nunes Marques afirmou ainda que “o debate acerca do voto impresso auditável se insere no contexto nacional como uma preocupação legítima do povo brasileiro e que Sua Excelência, na condição de Juiz, respeitará a expressão da vontade popular a ser externada pelo Congresso Nacional, foro adequado para tais debates, seja mantendo ou alterando a sistemática de votação e apuração de votos, nos termos da Constituição”.

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Lira: Brasil não pode tolerar gasolina a quase R$ 7 e o gás a R$ 120

Publicados

em


Michel Jesus/Câmara dos Deputado
Arthur Lira concede entrevista
Lira: “A Câmara dos Deputados está fazendo seu dever de casa”

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que os deputados vão buscar alternativas legislativas para evitar novos aumentos nos preços dos combustíveis e do gás de cozinha. O tema vai ser discutido na reunião do Colégio de Líderes prevista para a próxima quinta-feira. Segundo Lira, o Brasil não pode tolerar gasolina a quase R$ 7 e o gás a R$ 120. Ele criticou o diretor da Petrobras Cláudio Mastella, que avalia um aumento nos preços em razão da alta do dólar.

“O diretor da Petrobras Cláudio Mastella diz que estuda com “carinho” um aumento de preços diante desse cenário. Tenho certeza que ele é bem pago para buscar outras soluções que não o simples repasse frequente”, afirmou Lira por meio de suas redes sociais.

Lira disse que a Câmara está fazendo seu dever de casa para ajudar na retomada do crescimento econômico, com respeito aos limites fiscais e sendo responsável em todas as suas sinalizações para o mercado.

Leia Também:  Deputados aprovam mudanças na LDO para garantir recursos ao Auxílio Brasil

“Mesmo assim, o dólar persiste num patamar alto. Junto com a valorização do barril de petróleo, a pressão no preço dos combustíveis é insustentável”, disse o presidente.

Há 15 dias, Lira já havia cobrado mais esclarecimentos públicos da Petrobras em relação aos preços dos combustíveis e da logística do gás. Segundo ele, a estatal precisa ter uma política de preços clara e pensar no País, sobretudo neste momento de crise energética e de saída da pandemia.

Lira chegou a afirmar que o Congresso iria tomar providências para corrigir eventuais erros na empresa, sem prejudicar a economia e sem intervir na estatal nem retomar a política de controle de preços.

Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Wilson Silveira

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA