POLÍTICA NACIONAL

Para senadores, novo Atlas da Violência escancara desigualdade racial do país

Publicados

em


.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou na quinta-feira (27)  a nova edição do Atlas da Violência, com dados referentes ao ano de 2018. Entre as principais informações reveladas pela pesquisa está a estatística de que a taxa de homicídios na população negra subiu 11,5% em dez anos, em tendência inversa do restante da população brasileira, que registrou queda de 13%.

Para senadores que se manifestaram a respeito do tema, o Atlas revela a realidade da desigualdade racial no país. Durante a sessão deliberativa da quinta-feira, Humberto Costa (PT-PE) afirmou que o retrato “completamente desproporcional” da violência no Brasil traz uma mensagem.

— Por essa pesquisa nós tivemos uma triste confirmação do que é a realidade do racismo no nosso país. Isso tão somente acentua as desigualdades em termos de um papel que tem o componente racial na nossa sociedade.

O senador aproveitou para criticar a postura do presidente da República, Jair Bolsonaro, em relação à questão do desarmamento.

— Está o nosso país num caminho errado quando o governo pretende e busca facilitar o acesso das pessoas às armas de fogo e, com isso, certamente, essa triste estatística de violência só tende a crescer.

Leia Também:  Governo anuncia Renda Cidadã, com recursos de precatórios e do Fundeb

A atuação do governo federal nessa área tem sido acompanhada pelos parlamentares. Em 2019, o Senado suspendeu um decreto do governo que flexibilizava as regras para posse e porte de armas. O próprio Executivo revogou a norma pouco depois. Agora, os senadores também miram uma portaria dos Ministérios da Justiça e da Defesa que aumenta o limite para a compra de munições.

Nas redes sociais, a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) também destacou o trabalho do Ipea e chamou a atenção para o dado de que, em 2018, cerca de 76% das vítimas de homicídio no Brasil foram cidadãos negros.

“O Atlas da Violência 2020 escancara a desigualdade social. Precisamos enfrentar o racismo estrutural no país e proteger nossos jovens”, escreveu a senadora.

O ano de 2018 registrou a menor taxa de homicídios no Brasil desde 2015: foram 57.956 casos, ou 27,8 a cada 100 mil habitantes. Dos 26 estados e o Distrito Federal, 24 tiveram queda no índice em relação ao ano anterior. A análise dos homicídios pela etnia das vítimas, porém, revela uma grande disparidade: entre a população negra a taxa foi de 37,8 mortes por 100 mil habitantes, contra 13,9 por 100 mil na população não negra. O Ipea também concluiu que o risco de morte por homicídio, no momento da pesquisa, era 74% maior para homens negros e 64% maior para mulheres negras (em relação a homens e mulheres não negros).

Leia Também:  Projetos aumentam punição para quem praticar fraude em canais eletrônicos

Em 2020 completam-se 10 anos da promulgação do Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288, de 2010). Para marcar a data, a Agência Senado publica uma série de matérias especiais sobre os desafios do racismo estrutural no Brasil. Os textos podem ser lidos na sessão “Racismo em pauta”.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

FHC diz ser contra reeleição para presidência no Congresso

Publicados

em


source
FHC
Reprodução/Facebook

Ex-presidente participou do Roda Viva na última segunda-feira (28).

Durante sua participação na edição do Roda Viva da última segunda-feira (28), o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse ser contrário à reeleição de políticos para a presidência da Câmara dos Deputado e do Senado. Ele também comentou a presença de militares no governo de Jair Bolsonaro (sem partido). 

Ao ser questionado sobre a possibilidade de reeleição do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) para a presidência do Congresso, FHC elogiou a dupla, mas disse ser contra a possibilidade. “Ambos são pessoas respeitáveis. Mas isso não justifica. Não é a questão pessoal, mas sim constitucional”, afirmou o ex-presidente. 

Outro argumento utilizado pelo presidente de honra do PSDB foi o de que a possibilidade de reeleição dificultaria uma renovação na casa, o que é visto com maus olhos pelo ex-presidente. “Não acho conveniente. E tem muita gente boa. É melhor ter alguma renovação”, afirmou FHC, que completou dizendo que os políticos “são todos independentes e devem escolher com independência”.

Leia Também:  Gastos com covid-19 chegam a R$ 607 bilhões, diz secretário da Fazenda

Militares no governo

Durante o programa, FHC também comentou a presença massiça de militares no governo Bolsonaro. Além de dizer que não tem “sentimento de raiva” pelos militares, o ex-presidente ponderou que o excesso de militares poderá ser um problema para a própria classe. 

Além disso, FHC também disse que não vê uma relação obrigatória entre a presença de militares e o autoritarismo do governo. “Não acho que, necessariamente, o governo vai ser autoritário (por ter militares em sua composição)”, explicou o ex-presidente, que continuo dizendo que a classe sofrerá consequências de seu apoio a Bolsonaro.  “Queiram ou não queiram, vão pagar um preço pelos erros e acertos do governo”, finalizou.

O programa

O ex-presidente foi o convidado da edição especial de 34 anos do programa. Participaram do programa os ex-apresentadores Heródoto Barbeiro, Rodolpho Gamberini, Matinas Suzuki, Daniela Lima e Paulo Markun, que participou remotamente de Portugal.

Além de ter sido presidente do Brasil entre 1995 e 2002, FHC é sociólogo e cientista política e foi ministro da Fazenda e das Relações Exteriores do governo de Itamar Franco.

Leia Também:  Projetos aumentam punição para quem praticar fraude em canais eletrônicos

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA