POLÍTICA NACIONAL

Paulo Marinho diz que Bolsonaro foi alertado sobre gravidade do caso Queiroz

Publicados

em


source
marinho
Roque de Sá/Agência Senado

Paulo Marinho disse que Bolsonaro foi alertado sobre gravidade das investigações contra Queiroz

Em depoimento no inquérito que investiga um suposto vazamento da operação da PF que atingiu o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, o empresário Paulo Marinho disse que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi alertado da gravidade do caso Queiroz.

Segundo Marinho, o alerta ao presidente foi feito por Gustavo Bebianno, que foi coordenador da campanha eleitoral de Bolsonaro em 2018 e chegou a ser ministro da Secretaria-Geral da Presidência. Bebianno morreu em março deste ano, vítima de um infarto fulminante.

No depoimento dado ao MPF, Paulo Marinho afirmou ter ligado para Bebianno, no dia 13 de dezembro de 2018, para relatar a gravidade dos fatos. Isso porque, mais cedo naquele dia, Marinho, Victor Granado, amigo de Flávio Bolsonaro, e o próprio filho do presidente, participaram de uma reunião em que foi detalhado como Granado conseguia informações privilegiadas sobre as ações da PF.

Leia Também:  Derrubados cinco dos 16 vetos que foram a votação pelo Congresso nesta quarta

Marinho então, segundo seu depoimento, teria dito a Bebiano sobre a reunião e pediu para que ele avisasse o presidente sobre a gravidade do caso. O empresário ainda contou ao MPF o que Bebianno teria dito a ele sobre como foi a conversa com Jair Bolsonaro.

“Entrei (Bebianno) na sala do presidente, no escritório da transição, tinha muita gente na reunião. Eu chamei o presidente e disse:’ É urgente’. Ele tinha intimidade com o presidente, total (disse Marinho). Levei o presidente para o banheiro da sala. E fiquei dez minutos dentro do banheiro, contando para ele a história que você (Marinho) me contou. E o presidente me pediu que voltasse para o Rio para acompanhar esse assunto”, teria contado Bebianno a Paulo Marinho.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro diz que não apoia candidato, mas faz repasses que beneficiam Crivella

Publicados

em


source
Jair Bolsonaro e Marcelo Crivella
Foto: Reprodução/Internet

Jair Bolsonaro e Marcelo Crivella

Em junho, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que não pretendia apoiar nenhum candidato a prefeito nas eleições municipais marcadas para ocorrer neste ano. Na ocasião, Bolsonaro, disse que tinha “muito trabalho” em Brasília e não quer se “meter” em política.

“Não pretendo apoiar prefeito em lugar nenhum. Não pretendo, deixar bem claro. Não tenho partido, para exatamente me meter em política esse ano. Tenho muito trabalho aqui em Brasília para estar entrando em eleições municipais”, disse ele, na saída do Palácio da Alvorada.

Mas, apesar da afirmação, o presidente faz repasses de recursos federais para beneficiar Crivella com a injeção de dinheiro em obras no Rio durante a campanha eleitoral.

Crivella anunciou em suas redes sociais que o governo federal liberará R$ 105 milhões para o asfaltamento da avenida Brasil, principal via expressa da cidade, em setembro, início da campanha eleitoral. O trecho reformado será entre Santa Cruz e Deodoro, todo o percurso do corredor na zona oeste. Região mais populosa da cidade, a zona oeste é considerada um reduto eleitoral do ex-prefeito Eduardo Paes (DEM), principal adversário de Crivella na disputa.

Leia Também:  Congresso derruba veto a prorrogação de prazo para incentivos ao cinema

O presidente Jair Bolsonaro e um de seus filhos, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), participaram ao lado do prefeito do Rio da inauguração de uma escola cívico-militar no bairro do Rocha, na Zona Norte do Rio, nesta sexta-feira. O evento ocorreu no último dia permitido pela Justiça Eleitoral para que candidatos participem de inaugurações de obras públicas.

Candidato à reeleição, Crivella busca o apoio de Bolsonaro e conseguiu atrair para seu partido, o Republicanos, tanto Carlos – também candidato a novo mandato, na Câmara Municipal -, quanto o senador Flávio Bolsonaro, que não compareceu ao evento desta sexta.

O evento

Na abertura da solenidade, o secretário municipal de Ordem Pública, Gutemberg Fonseca, aliado da família Bolsonaro, saudou a presença de Carlos e disse que o vereador, embora não costume participar de eventos públicos, “faz um trabalho importante no back-office, nos orientando e fiscalizando”.

O evento é considerado por aliados de Crivella como uma oportunidade para registro de fotos e vídeos do prefeito ao lado da família Bolsonaro, que poderão ser usados na propaganda eleitoral. 

Antes do pronunciamento de Bolsonaro, Crivella entregou ao presidente a medalha Zenóbio da Costa, oferecida pela Guarda Municipal do Rio.

Também participaram do evento os ministros Milton Ribeiro (Educação), Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), deputados estaduais e federais bolsonaristas e o vereador de São João de Meriti Charlles Batista (Republicanos), pré-candidato à prefeitura naquele município.

Leia Também:  Projeto qualifica e aumenta pena de crime de prevaricação na administração pública

Apenas um dos três edifícios que formam a Escola Cívico-Militar General Abreu já está pronto. Outros dois prédios anexos nos fundos da unidade ainda estão em fase inicial de construção. Cada edifício tem capacidade para cerca de 500 alunos, segundo a prefeitura. Diferentemente do que ocorre em escolas militares, na escola cívico-militar a gestão é dividida entre militares e a rede municipal de ensino.

Antes da chegada de Bolsonaro e de Crivella, um sistema de som próximo ao local da solenidade entoou o funk “Proibidão do Bolsonaro”, criado nas eleições de 2018 por MC Reaça, morto no ano passado. A letra contém frases pejorativas dirigidas a adversários políticos de Bolsonaro.

Durante o evento, um homem em local não identificado, usando um microfone, chamou Crivella de “judas” quando o prefeito subiu ao palanque para discursar. O homem também gritou que “a praia é do povo”. Crivella esperou a manifestação terminar para seguir seu discurso, e retomou dizendo que “é o preço que se paga” por ser gestor.

– O presidente levou uma facada na barriga para o povo não levar uma facada nas costas. Também é o preço que se paga – disse Crivella.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA