POLÍTICA NACIONAL

Projeto define 19 de abril como “Dia da Resistência dos Povos Indígenas”

Publicados

em

Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados
Deputado Célio Moura fala ao microfone. Ele é branco, tem o cabelo grisalho e usa um terno azul marinho
Moura: ‘indígena’ é o termo aconselhado para se referir aos povos originários

O Projeto de Lei 1186/22 altera o Decreto-Lei 5.540/43 para denominar o dia 19 de abril como “Dia da Resistência dos Povos Indígenas”. A data hoje é conhecida como “Dia do Índio”, devido ao Primeiro Congresso Indigenista Interamericano, ocorrido no México, em 1940. O texto está em análise na Câmara dos Deputados.

“O dito Dia do Índio não representa a real condição dos povos indígenas, pois transmite errônea impressão de que vivem isolados, não valoriza a contribuição na formação da nação e não rememora a luta e resistência contra o extermínio”, disse o autor da proposta, deputado Célio Moura (PT-TO), ao sugerir a mudança.

“Os povos originários são os autores de sua própria história, e não faz mais sentido a manutenção de um termo ultrapassado e equivocado como ‘índio’ na data em que supostamente se homenageia a existência deles”, continuou o parlamentar.

No início de junho, o presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente projeto que muda o nome do “Dia do Índio” para “Dia dos Povos Indígenas”. O veto ainda precisa ser analisado pelo Congresso.

Leia Também:  Proposta prevê adicional no salário do motorista de transporte de carga

Tramitação
O PL 1186/22 tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Direitos Humanos e Minorias; de Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Reportagem – Ralph Machado
Edição – Natalia Doederlein

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro deve processar blogueira que divulgou falso almoço com Pádua

Publicados

em

Michelle Bolsonaro e Juliana Lacerda
Reprodução: redes sociais – 12/08/2022

Michelle Bolsonaro e Juliana Lacerda

Em entrevista ao podcast “Cara a Tapa”, durante a manhã deste sábado (13), o presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que conversou com a advogada e deve processar a blogueira que divulgou a notícia em que ele e Michele almoçaram com Guilherme de Pádua e a esposa após um evento, na última sexta (12).

“Eu falei com a minha advogada sobre isso, eu não gosto de processar mais isso foi uma covardia”, afirmou o mandatário.

Ele explicou que só ficou sabendo do falso almoço com o assassino de Daniela perez, após ver foto da esposa com a mulher de Guilherme de Pádua em uma matéria na internet. O presidente afirmou, ainda, que não teria fica para o almoço após o evento.

“Fomos convidados para ir na igreja lagoinha. Fui convidado, nem sabia de Guilherme de Pádua, antes de acabar eu voltei pra Brasília e minha esposa ficou.”

“Eu conversei com ela, porque apareceu uma foto dessas com a tal esposa do Guilherme de Pádua. Então, ela falou: ‘eu tirei umas cem fotografias, então não sei quem tirou comigo’. Ela [Juliana] não falou quem ela era, e no almoço tem uma mesa reservada com os familiares do pastor Valadão.”

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Leia Também:  Amazônia completou mais um período de destruição de sua floresta que se agrava desde o inicio dos anos 2000

Fonte: IG Política

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI