POLÍTICA NACIONAL

Proposta institui complexo econômico e social na fronteira agropecuária do Brasil

Publicados

em


Najara Araújo
Deputado Pastor Gil discursa no Plenário da Câmara
Gil: intenção é garantir desenvolvimento sustentável da região sem abdicar da riqueza social e ambiental que ela encerra

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 246/20 institui, para fins administrativos, o Complexo Geoeconômico e Social do Matopiba. O Poder Executivo definirá poligonal incluindo o sul do Maranhão, o norte de Tocantins, o sul do Piauí e o oeste da Bahia.

A proposta em tramitação na Câmara dos Deputados explica que um colegiado deverá gerenciar a implantação desse complexo e as medidas para fortalecimento institucional, modernização da agropecuária e garantia da sustentabilidade ambiental e social.

“A proposta visa o desenvolvimento da região e a redução das desigualdades”, ressaltou o autor, deputado Pastor Gil (PL-MA). “Deverá haver igualdade de tarifas, fretes e seguros; juros favorecidos para atividades prioritárias; e isenções tributárias”, afirmou.

Fronteira agrícola
A região abrange trechos remanescentes do Cerrado nesses quatro estados cujas siglas formam o acrônimo Matopiba. É considerada a fronteira de expansão da agropecuária no Brasil – até 2022, segundo projeções, representará 16,4% da área plantada no País.

 

 

Leia Também:  Projeto endurece penas para receptação e adulteração de chassi de veículo roubado

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) estima que são cerca de 73 milhões de hectares em 337 municípios. Do total, 14 milhões de hectares correspondem a terras legalmente atribuídas ou áreas de conservação em regularização.

“A grande diversidade cultural e o imenso patrimônio biológico da região precisam ser conservados”, disse Pastor Gil. “Ações públicas devem levar infraestrutura e serviços, mas também controlar conflitos, conservar o meio ambiente e proteger as populações.”

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei complementar

Reportagem – Ralph Machado
Edição – Natalia Doederlein

Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Tratamento de câncer de Covas não tem data para acabar, diz médico do prefeito

Publicados

em


source
Prefeito Bruno Covas falando ao microfone
Patrícia Cruz/Divulgação

Prefeito Bruno Covas, candidato à reeleição para a Prefeitura de São Paulo pelo PSDB

O tratamento que o prefeito Bruno Covas (PSDB), que disputa a reeleição da Prefeitura de São Paulo , está fazendo contra um câncer na cárdia, que fica localizado na região de transição entre o estômago e o esôfago, não tem data para acabar. A avaliação é feita por um dos médicos da equipe que acompanha o tratamento do tucano.

O oncologista Tulio Eduardo Flesch Pfiffer acompanha Covas desde o início do diagnóstico, em 28 de outubro de 2019. Além dele, integram a equipe que o assiste no Hospital Sírio-Libanês os médicos David Uip, Roberto Kalil Filho e Artur Katz, todos do Hospital Sírio-Libanês.

No último dia 14, o prefeito fez a 12ª aplicação de imunoterapia. “Eu examinei ele de ponta-cabeça. Está clinicamente ótimo”, afirmou Pfiffer ao jornal Folha de S. Paulo .

Embora os estudos apontem um prognóstico ruim para a doença, o tratamento avançou muito nos últimos anos. No caso de Covas, além do tumor na cárdia, foram detectadas lesões menores no fígado e nos linfonodos ao lado do estômago.

Leia Também:  Governador de SC recebe intimação formalizando afastamento dele do cargo

Entre outubro e fevereiro último, o prefeito chegou a fazer oito sessões de quimioterapia. Eles respondeu bem ao tratamento e as lesões cancerígenas regrediram, mas não desapareceram. Por conta disso, desde fevereiro ele passou a fazer uso da imunoterapia, uma técnica inovadora que usa anticorpos monoclonais para estimular o sistema imunológico.

As drogas não visam atacar as células do tumor, como na quimioterapia convencional, mas sim estimular as células de defesa do próprio organismo do paciente para que elas combatam a doença. As aplicações duram cerca de 30 minutos e ocorrem a cada três semanas.

“Uma outra vantagem é que tem menos efeito colateral do que a quimioterapia. Depois que a gente mudou para a imunoterapia, ele está muito melhor clinicamente, mais bem-disposto. É um cara jovem, forte”, disse Pfiffer.

A cada três ciclos de imunoterapia, dois meses aproximadamente, Covas faz exames laboratoriais e de imagem (endoscopia, ressonância magnética e PET/Scan) para avaliar os resultados. “Eles têm mostrado que a doença está muito bem controlada”, afirmou o médico.

Segundo o oncologista, não há um prazo para a duração das aplicações. “É um tratamento promissor. Para essa doença [do prefeito], começamos [no Sírio] neste ano. Ele tem uma chance grande de uma resposta duradoura [regressão do câncer].”

Leia Também:  Projeto transfere para setembro semana nacional de prevenção à gravidez na adolescência

Pfiffer diz ainda que a forma como Covas tem reagido ao enfrentamento da doença surpreende a todos. “Não apenas no aspecto do tumor, mas em relação a toda condição clínica. Teve Covid, foi praticamente assintomático. Fisicamente, está tirando tudo de letra. Emocionalmente, nunca se deixou abater.”

Em junho deste ano, Covas foi diagnosticado com Covid-19, afastou-se e retornou ao cargo duas semanas depois.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA