Internacional

Posições sobre celibato causam guerra interna no Vaticano

Publicado

source

Agência Brasil

Papa emérito Bento XVI está no centro da discussão sobre celibato no Vaticano arrow-options
Reprodução/Twitter

Papa emérito Bento XVI está no centro da discussão sobre celibato no Vaticano


Bento XVI não teria aprovado a publicação do livro escrito em conjunto com o cardeal Robert Sarah, no qual o celibato dos sacerdotes é defendido, disseram fontes próximas ao papa emérito a veículos de comunicação.

Uma guerra interna travou-se no Vaticano na noite passada, quando alguns meios de comunicação, incluindo o Corriere della Sera, publicaram uma versão de alguém que não se quis identificar, mas se disse próximo do papa emérito, afirmando que Bento XVI não teria escrito o livro “a quatro mãos” e que se trata de uma operação editorial midiática a que ele é totalmente alheio.

A mesma fonte explicou que o papa emérito “apenas disponibilizou a Sarah um texto sobre o sacerdócio que estava escrevendor” e que “não sabia nada sobre a capa de um livro, nem o aprovara”.

Essas declarações provocaram uma reação dura do cardeal prefeito da Congregação para o Culto Divino, que afirmou no Twitter que acusá-lo de mentir era “difamação de extrema gravidade”.

“Hoje à noite, eu comprovei a minha estreita colaboração com Bento XVI para escrever este texto a favor do celibato. Falarei amanhã, se necessário”, acrescentou Sarah, que publicou as fotos de três cartas que Bento XVI lhe enviou.

Leia mais:  Procurador dos EUA diz que ação contra Soleimani foi legítima

Leia também: Indianos protestam contra construção de Cristo Redentor igual ao do Rio

Formato

As cartas confirmam que o papa emérito enviou um texto sobre o sacerdócio e o autorizou a publicar “da maneira que pretendia”, mas não especificam em nenhum momento se é um livro, com uma introdução e uma conclusão assinada por ambos.

A polêmica no Vaticano s urgiu no domingo (12), quando foi anunciado um novo livro assinado por Bento XVI e Sarah – um dos principais líderes da ala conservadora que critica as posições do papa Francisco -, no qual o celibato é defendido, diante da decisão que terá de ser tomada pelo papa argentino sobre a proposta de ordenar homens casados, feita no Sínodo da Amazónia.

Trechos do livro foram publicados domingo no site do jornal francês Le Fígaro.

Oposição a Francisco

A obra, em francês, tem como título “Das profundezas dos nossos corações” (Des profondeurs de nos coeurs) e chegará às livrarias esta semana, enquanto o papa encerra a sua exortação apostólica após o Sínodo da Amazónia . Para muitos, esse é um movimento para pressionar Francisco.

Leia mais:  Macaco usa pedra para matar bebê de quatro meses na frente dos pais

Assim, surgiram novamente acusações de que Ratzinger, 92 anos, que há anos se limita a breves aparições gravadas ou fotografadas por um jornalista ou amigo que o visitou, nas quais quase nunca faz declarações e se percebe que fala com grande dificuldade, pode estar a ser manipulado pela área mais conservadora da Igreja.

Bento XVI rompe silêncio e diz que celibato é indispensável

Comunicado

Os veículos oficiais do Vaticano limitaram-se a garantir que no livro “os autores expõem as suas intervenções no debate sobre o celibato e a possibilidade de ordenar homens casados” e que Ratzinger e Sarah se definem como dois bispos que mantêm “obediência ao papa Francisco”, de acordo com um artigo do diretor editorial Andrea Tornielli.

O responsável pela assessoria de imprensa, Matteo Bruni, disse que o papa Francisco sempre se opôs à eliminação do celibato, mas não se pronunciou sobre se Ratzinger concordou ou não com a publicação desse volume.

*Emissora pública de televisão de Portugal

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
publicidade

Internacional

Trump será defendido por acusador de relações entre Clinton e Monica Lewinsky

Publicado

source
Bill Clinton, ex-presidente dos Estados Unidos arrow-options
Gage Skidmore/Creative Commons

Bill Clinton, ex-presidente dos Estados Unidos

Um dos integrantes da equipe de defesa do presidente dos Estados Unidos , Donald Trump , contra as acusações de impeachment será o advogado Kenneth Starr, que foi o responsável pelas acusações contra o ex-presidente Bill Clinton por relações sexuais com a ex-estagiária da Casa Branca Monica Lewinsky . O caso ocorreu em 1988 e resultou em outro processo de impeachment contra Clinton na Câmara dos Representantes.

Segundo informações da imprensa americana, os advogados Alan Dershowitz e Robert Ray, que sucedeu Starr como promotor independente e redigiu o relatório final sobre Clinton, também vão integrar a defesa de Trump.

Leia também: Senado dos EUA recebe impeachment de Trump: entenda como ocorre o processo

No Twitter, Lewinsky fez um comentário sobre a escolha de Starr para fazer a defesa de Trump. “Este é definitivamente um ‘você está brincando comigo?’ tipo de dia”, escreveu.

Leia mais:  Emissões de gases de efeito estufa no Japão caem pelo quinto ano

Trump é o terceiro presidente da história dos Estados Unidos a sofrer impeachment na Câmara e o primeiro a passar pelo processo enquanto luta pela reeleição ao cargo. Além dele, Andrew Johnson e Bill Clinton tiveram processos de impeachment aprovados pela Câmara, mas ambos foram absolvidos pelo Senado e não perderam o cargo.

Leia também: EUA admitem que 11 militares americanos ficaram feridos em ataques do Irã

Ele é acusado de abuso de poder e obstrução do Congresso no caso de ele ter pedido à Ucrânia que investigasse Joe Biden, potencial rival dele na disputa pela presidência.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

Internacional

Governo interino da Bolívia destina 10% do orçamento para a saúde

Publicado

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, anunciou que destinará 10% do orçamento nacional para a área da saúde visando melhorar e fortalecer a atenção médica para a população.

“Foi feito um grande sacrifício financeiro ajustando o orçamento, e conseguimos destinar 10% do nosso orçamento geral para a saúde de todos os bolivianos”, afirmou.

Bolivian Senator Jeanine Anez gestures after she declared herself as Interim President of Bolivia, in La Paz, Bolivia November 12, 2019. REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

 A presidente Jeanine Áñez quer fortalecer a área de saúde da Bolívia     Carlos Garcia Eawlins/Reuters/direitos reservados

Jeanine disse ainda que há recursos disponíveis de mecanismos de cooperação internacional para reforçar ainda mais essa área.

O ministro de Economia, José Luis Parada, disse que buscará executar em sua totalidade os 10% do Orçamento Geral da Nação para a atenção médica.

Ele criticou o governo do ex-presidente Evo Morales, que acusou de não ter “ordenamento nem controle” dos gastos.

Edição: Kleber Sampaio

Comentários Facebook
Leia mais:  Portugal prorroga período crítico de incêndios em florestas
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana