Momento +

Secretaria Estadual de Educação divulga o resultado final do processo seletivo

Publicados

em

A Secretaria Estadual de Educação (Seduc) divulgou nesta quinta-feira (20.01) o resultado final do Processo Seletivo Simplificado (PPS) para contratação temporária de profissionais em várias áreas de atuação. O resultado e outras informações sobre o processo seletivo estão disponíveis no site do Instituto Selecon.

A lista com o resultado está dividida pelos polos das Diretorias Regionais de Educação (DREs) de Alta Floresta, Barra do Garças, Confresa, Cuiabá, Cáceres, Diamantino, Juara, Juína, Matupá, Pontes e Lacerda, Primavera do Leste, Rondonópolis, Sinop, São Félix do Araguaia e Tangará da Serra.

A próxima etapa do processo seletivo será a homologação por parte da Seduc. Após a homologação, a Seduc fará o contato com os candidatos para o agendamento das reuniões online, na qual será mostrado as vagas existes por polo e se é do interesse do candidato. Esses contatos serão por meio de dados inseridos na ficha de inscrição do candidato (e-mail ou por telefone). O contato para agendamento está previsto para o dia 25 de janeiro.

No portal do Instituto Selecon também foi divulgada a resposta ao recurso contra o resultado preliminar do seletivo. Por isso, é importante participar do agendamento online.

Leia Também:  Polícia Civil de Barra do Garças MT suspeita que carro de passeio invadiu pista contrária batendo de frente em carreta matando três na BR 158

Os profissionais admitidos irão desempenhar funções em carga horária de 30 horas semanais e contarão com salários de R$ 1.422,39 a R$ 4.436,54 ao mês. Os contratos serão efetuados a partir de fevereiro.

Mais de 40 mil profissionais da educação se inscreveram no processo seletivo. A prova foi realizada em dezembro de 2021.

O objetivo do processo seletivo é a escolha por ordem de classificação de professor, técnico administrativo educacional (TAE) e apoio administrativo educacional (AEE) para contratação temporária em demandas que não são caracterizadas como vagas de concurso, tais como aulas residuais e licença médica, para substituir servidores efetivos que, anualmente, são designados para funções como diretor, coordenador, secretário, assessor pedagógico na rede escolar.

Confira aqui o resultado final do teste seletivo por polo.

Fonte: GOV MT

Momento +

Tão comuns nos tempos atuais comentários de ódio postados em redes sociais afetam psicologicamente as pessoas afirmam espacialistas

Publicados

em

Viver conectado é quase uma necessidade nos dias atuais. Quase não há mais separação do mundo virtual para o real. Estamos conectados 24 horas por dia.

A internet tornou-se uma ferramenta essencial para a maior parte da população. É um espaço democrático, onde podemos expressar opiniões.

Mas, também se tornou um local de ataques e disseminação de ódio. Quem faz comentários maldosos na internet são chamados de ‘haters’.

O ‘hate’ é um termo em inglês que na linguagem tecnológica significa “pessoa que posta mensagem de ódio na internet”. Podendo ser para uma pessoa específica ou um grupo.

O ódio sempre foi um sentimento existente. Porém, ele foi potencializado com a chegada e popularização da internet, principalmente, no Brasil.

Os ataques virtuais têm se tornado cada vez mais frequentes. Qualquer pessoa está passiva a esse tipo de ato. Entre os principais alvos dos haters, estão às pessoas públicas.

A Dra. Crhisttiane. psicóloga explicou o por que às pessoas estão com um comportamento cada vez mais agressivo na internet.

Leia Também:  Investimentos na Educação: Municipios de Mato Grosso são beneficiados com entrega de ônibus escolares em todas as regiões

Para a especialista Christiane Bianchi, a conduta “pode ser pelo fato delas se sentirem impotente e com uma necessidade de se imporem sobre as outras pessoas”.

Conforme a psicóloga, as pessoas entendem que devemos ter um bom comportamento apenas no offline, ou seja, fora da internet, na vida real.

“Já estamos acostumados com a ideia de que nosso comportamento deve obedecer às regras sociais no presencial. Mas, ainda tem muitas pessoas que não perceberam que as regras também valem para as redes sociais”, afirmou a psicóloga.

Para Cristiane Bianchi, as redes sociais acabam encorajando as pessoas em posições extremas, a se sentirem mais confiantes para expressarem o que pensam, o que pode afetar gravemente o psicológico para quem é dirigido os comentários de ódio.

“Quando o indivíduo tem interação com o cyberbullying, os danos à saúde mental são muito graves”.

Há leis que punem o Cyberbullying no Brasil. Termo que define a prática do bullying nas redes sociais. O artigo 147-A da Lei 14,132 de 2021  diz que “perseguir alguém, reiteradamente e por qualquer meio, ameaçando-lhe a integridade física ou psicológica, restringindo-lhe a capacidade de locomoção ou, de qualquer forma, invadindo ou perturbando sua esfera de liberdade ou privacidade” é crime de assédio on-line, com pena de reclusão de seis (06)  meses a dois (02) anos.

Leia Também:  Baixaria: Funcionária dos Correios de Várzea Grande MT denuncia Gerente do Centro de Distribuição Domiciliar CDD por assédio sexual

Todos nós podemos ser um hater. Discordar de uma publicação ou comentário com outro comentário maldoso é estar disseminando ódio na internet.

 

Otavio Ventureli(da redação com GD)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA